A utilização de cartas na formação docente: uma contribuição construcionista social

Tamara Rossi de Oliveira, Paula Cristina Medeiros Resende, Emerson F. Rasera

Resumo


Este trabalho tem por objetivo descrever o processo de redação de cartas voltadas ao aprimoramento da prática docente, bem como, apontar algumas diretrizes potencialmente úteis nessa tarefa. Trata-se de um relato de experiência baseado na troca de cartas entre uma professora de Psicologia e a monitora de sua disciplina, no ensino superior, durante um semestre letivo. A partir da análise das cartas, apresentamos um conjunto de práticas de escrita influenciadas por uma perspectiva construcionista social e que enfatizam o uso da carta como forma de promover o diálogo e a reflexão. Observamos que o uso da carta estimulou momentos reflexivos em sala de aula e relações mais horizontais entre professores e alunos. Contudo, é importante que a utilização das cartas se alie a programas institucionais amplos de formação docente para que seja um instrumento efetivo de desenvolvimento profissional. 


Palavras-chave


Carta, Formação, Professores, Educação

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, T. (1999). Processos reflexivos. Rio de Janeiro: Instituto Noos/ITF

Anderson, H. (1999). Collaborative Learning Communities. In: S. McNamee, S. & K. J. Gergen (org.). Relational Responsibility: Resources for Sustainable Dialogue (pp. 65-70). Londres: Sage.

Anderson, H. (2011). Uma perspectiva colaborativa sobre ensino e aprendizado: a criação de comunidades de aprendizado criativo. Nova Perspectiva Sistêmica, 41, 35-53.

Anderson, H. & London, S. (2012). Aprendizado colaborativo: ensino de professores por meio de relacionamentos e conversas. Nova Perspectiva Sistêmica, 43, 22-37.

Barros, L. P. C. P. R. (2010). O uso de cartas terapêuticas em psicoterapia de grupo. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Brouwers, M. (2001). Bulimia and the relationship with food: a letters-to-food technique. Journal of Counseling & Development, 73, 220-222.

Chen, M., Noosbond, J. P. & Bruce, M. A. (1998). Therapeutic document in group counseling: an active change agent. Journal of Couseling & Development, 76, 404-411.

Freire, P. (1991). A educação na cidade. São Paulo: Cortez.

Gergen, K. J. (2010). Construção social e prática profissional. In.: K. J. Gergen & M. Gergen (org.). Construcionismo social: um convite ao diálogo (p. 55-78). Rio de Janeiro: Noos.

Giroux, H. A. (2010, 17 de outubro). Lessons From Paulo Freire. Chronicle of Higher Education. Recuperado de http://chronicle.com/article/Lessons-From-Paulo-Freire/124910/.

Kress, V. E.. Hoffman, R. & Thomas, A.M. (2008). Letters from the future: the use oftherapeutic letter writing in counseling sexual abuse survivors. Journal of Creativity in Mental Health, 3 (2), 105-118.

McLaren, P. (1997). Teoria crítica e o significado da esperança. In. H. A. Giroux. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. (pp. XI-XXI). Porto Alegre: Artes Médicas.

McNamee, S. (2006).. Relational practices in education: teaching as conversation. Recuperado em 10 de maio, 2014, de http://pubpages.unh.edu/~smcnamee/relational_practice/Relational_Practices_in_Education.pdf

Nascimento, R. O. (2008). Formação de Identidade Docente, Escola e Culpabilização Profissional: Convergências e Discussões Teóricas. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 2(2), 269-279.

Nóvoa, A. (1997). Formação de professores e profissão docente. In A. Nóvoa. Os professores e sua formação (pp. 9-33). Lisboa: Dom Quixote.

Nóvoa, A. (1995). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote.

Nóvoa, A. (1992). Profissão professor. Porto: Porto Editora.

Oliveira, F. M. & Rasera, E. F. (2009). Do Contexto Terapêutico à Prática Educacional: Uma análise do Filme “O Sorriso de Mona Lisa”. Pensando Famílias, 13(1), 103-119.

Paiva, L. P. C. (2010). O uso de cartas terapêuticas em psicoterapia de grupo. (Dissertação de Mestrado não publicada). Universidade Federal de Uberlândia, Brasil.

Paiva, L. P. C. & Rasera, E. F. (2012). O uso das cartas terapêuticas na prática clínica. Psicologia clínica, 24(1), 193-207.

Prada, L. E. A. & T. C. Freitas & C. A. Freitas. (2010). Formação continuada de professores: alguns conceitos, interesses, necessidades e propostas. Revista Diálogo Educação, 10 (30), 367-387.

Saviani, D. (2009). Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, 14(40), 143-155.

White, M. & Epston, D. (1990). Médios narrativos para fines terapêuticos. Barcelona: Paidós.

Wortham, S. & Jackson, K. (2008). Educational Constructionisms. In. J. A. Holstein, & J. F. Gubrium (org.). Handbook of Constructionist Research. (pp. 107-125). London: The Guilford Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.