Facilitando uma Conversa sobre Álcool e outras Drogas – um Convite à Reflexão.

Virginia Lúcia Moreira Barbosa

Resumo


Relato da experiência com alunos adolescentes, com a promoção de diálogo em torno do tema álcool e outras drogas, visando ampliar o ponto de vista do jovem para além do binômio proibir/legalizar. Partindo do paradigma da complexidade, na trilha do construcionismo social, e apoiado na lógica de redução de danos, o artigo pretende contribuir para a discussão a respeito das ações de prevenção. Foi utilizada como método a facilitação sistêmica de processos coletivos, na criação de contexto colaborativo e no acompanhamento do processo de construção do saber coletivo. Alunos e professores entraram em contato com os múltiplos aspectos que envolvem o assunto, exercitaram a reflexão e experimentaram o sentimento de protagonismo na busca de soluções para o enfrentamento do problema.


Palavras-chave


álcool e outras drogas, construcionismo social, redução de danos, prevenção, facilitação sistêmica de processos coletivos.

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, H. (2009) Conversação, linguagem e possibilidades: um enfoque pós-moderno da terapia (M. G. Armando, Trad.). São Paulo: Roca (obra original publicada em 1997).

Bojer, M., Roehl, H., Knuth, M., & Magner, C. (2010) Mapeando diálogos: ferramentas essenciais para a mudança social (L. Corsini, Trad.). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Brasil Ministério da Saúde (1999) Secretaria de Políticas de Saúde. Área de Saúde do Adolescente e do Jovem. A família, o adolescente e o uso de drogas [Versão eletrônica]. Cadernos juventude, saúde e desenvolvimento, v.1. Brasília, DF, 303p.

Brasil Ministério da Saúde (2001) Coordenação Nacional DST e Aids. Manual de Redução de Danos. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Brasil Ministério da Saúde. (2004) Secretaria de Atenção à Saúde. SVS/CN- DST/AIDS. A Política do Ministério da Saúde para Atenção Integral a Usuários de Álcool e outras Drogas / Ministério da Saúde. (2a.ed., rev. ampl.). Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/enfrentandoocrack/publicacoes/politica-do-ministerio-da-saude-para-a-atencao-integral-a-usuarios-de-alcool-e-outras-drogas/view. Acesso em 08 set. 2011.

Brasil Ministério da Saúde. (2006) Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia.Capacitação para Comitês de Ética em Pesquisa – CEPs / Ministério da Saúde/Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. – Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/capacitacaocomiteseticapesquisav1.pdf. Acesso em 20 dez. 11.

Brasiliano, S. A. (2006) Adolescência e as drogas: reflexões para o profissional que atua com jovens e familiares [Versão eletrônica], Vinculo, 3(3), 56-64.

Brown, J. & Isaacs, D. (2007) The World Café: Dando forma ao nosso futuro por meio de conversações significativas e estratégicas (M. Sales, Trad.). São Paulo: Cultrix.

Bucher, R. (2007) A ética da prevenção [Versão eletrônica]. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(spe), 117-123.

Bucher, R. & Oliveira, S.R.M. (1994) O discurso do ‘combate às drogas’ e suas ideologias Revista Saúde Pública, (28), 137-145.

Burr, V. (1995) An introduction to social constructionism. Londres: Routledge.

Campos, M. A. (2005) Freire e Freud: por uma atitude transitiva na educação sobre drogas. In G. Acserald, (org). Avessos do Prazer. (2a ed., 213-229). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Chagas, F. G. L. & Ventura, C. A. A. (2010) Cooperação internacional em prevenção do uso abusivo de drogas no Brasil. SMAD Revista eletrônica Saúde mental álcool e drogas, 6(1), art. 4. Recuperado em 10 agosto, 2011, de http://www2.eerp.usp.br/resmad/artigos/SMADv6n1a04.pdf.

Delgado, P. G. (2003) Reforma Psiquiátrica: O Feito e o Por Fazer. In NUPPSAM/IPUB/UFRJ (org). Curso de Especialização em Saúde Mental para técnicos dos CAPS. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde.

Ferreira, T. H. S., Farias, M. A. & Silvares, E. F. M. (2010) Adolescência através dos séculos [Versão eletrônica], Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(2), 227-234.

Freedeman, J. & Combs, G. (1996) Questions In Narrative Therapy - the social construction of preferred realities (113-143). New York: W. W. Norton Company.

Freire, P. (2001) Pedagogia dos sonhos possíveis (3ª reimpressão). São Paulo: UNESP, 2001.

Fuks, S. & Rosas, E.V. (2009, novembro) La facilitación sistémica de procesos colectivos. Una ‘Artesania de Contextos para la promoción de la creatividad, el acompañamiento de procesos participativos y la generación de relaciones de cooperación em el trabajo colectivo (grupos, instituiciones, comunidades y redes. Sistemas Familiares y otros sistemas humanos, 25 (2), 24-49.

Garcia, M. L. T., Leal, F. X. & Abreu, C. C. (2008) A política antidrogas brasileira: velhos dilemas [Versão eletrônica], Psicologia e Sociedade, 20(2), 267-276.

Gergen, K. & Gergen, M. (2010) Construcionismo Social: um convite ao diálogo (G. Fairman, Trad.). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Grandesso, M. A. (2000) Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Guanaes, C. (2006) A construção da mudança em terapia de grupo: um enfoque construcionista social. São Paulo: Vetor.

Hunter, D., Bailey, A. & Taylor, B. (1995) The art of facilitation: how to create group synergy. Tucson: Fisher Books.

Moreira, F. G. V., Silveira, D. X. & Andreoli, S. B. (2006) Redução de danos do uso indevido de drogas no contexto da escola promotora de saúde (Temas Livres). Ciência e Saúde Coletiva, 11(3), 807-816.

Morin, E. (1996) Epistemologia da complexidade In D.F. Schnitman (org). Novos Paradigmas, Cultura e Subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas.

Müller, A. C., Paul, C. L. & Santos, N. I. S. (2008). Prevenção às drogas nas escolas: uma experiência pensada a partir dos modelos de atenção em saúde [Versão eletrônica]. Estudos de Psicologia, 25(4), 607-616.

Pires, R. O. M., Carrieri, C. G. & Carrieri, G. G. (2008) O Estado frente à temática das drogas lícitas e ilícitas: avanços da nova legislação e desafios frente ao sistema único de saúde SMAD Revista eletrônica Saúde mental álcool e drogas (ed. port.), 4(2). Recuperado em20 outubro, 2011, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762008000200002&lng=pt&nrm=iso

Rasera, E & Japur, M. (2007) Grupo como construção social: aproximações entre construcionismo social e terapia de grupo. São Paulo: Vetor.

Raupp, L. & Sapiro, C. M., (2009) Adolescência, drogadição e políticas públicas: recortes no contemporâneo [Versão eletrônica], Estudos de Psicologia (Campinas), 26(4), 445-454.

Ribeiro, M. (2011) Conversando com seu filho adolescente sobre sexo. São Paulo: Academia.

Romani, O. (2005, deciembre) Globalización, anti-globalización y políticas de reducción de daños y riesgos. Eguzkilore – Cuaderno del Instituto Vasco de Criminalística (19), 91-103. San Sebastián:

Rosa, P. O. (2010) Juventude Criminalizada. Florianópolis: Ed. Insular.

Rosenbaum, M. (2002) Seguridad primero: un enfoque realista sobre adolescentes, drogas y educación acerca de drogas. San Francisco, Califórnia: HTPotter.comunications. Drug Policy Alliance.

Schenker, M. & Minayo, M.C.S. (2005) Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência (Temas Livres). Ciência e Saúde Coletiva, 10(3), 707- 717.

Schnitman, D.F. (Org.) (1996) Novos Paradigmas, Cultura e Subjetividade (J. H. Rodrigues, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Souza, T. P. (2007) Redução de Danos no Brasil: a clínica e a política em movimento. Dissertação de mestrado, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil.

Vasconcelos, M. J. E. (2005) Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da ciência (4ª ed.). Campinas, São Paulo: Papirus.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.