GENOGRAMA E WORKSHOP DE FOTOGRAFIAS – INTERVENÇÕES RELACIONAIS SISTÊMICAS EM PROCESSOS PSICOTERAPÊUTICOS INDIVIDUAIS

CAROLINA DUARTE DE SOUZA, MARIA APARECIDA CREPALDI

Resumo


Nosso propósito neste artigo foi enriquecer as teorizações sobre possibilidades de intervenções psicoterapêuticas ancoradas na perspectiva relacional sistêmica em processos individuais, ao propor a utilização das técnicas do genograma e do workshop de fotografias nesse contexto, principalmente em atendimentos a adultos jovens solteiros. Trata-se de um estudo teórico e exploratório, com vinhetas de casos clínicos como exemplos. Esses eram terapias individuais semanais, com uma hora de duração, realizadas em dois contextos: consultório privado e instituição. As que ocorreram em instituição de assistência social tiveram em média oito encontros, e aquelas de consultório privado 25. Concluímos que a confecção do genograma e a realização do workshop de fotos foram instrumentos que auxiliaram no trabalho terapêutico individual de acordo com um enfoque relacional sistêmico. Ademais, principalmente o workshop de fotos também pode ser um bom aliado para terapeutas sócio-construcionistas ou narrativos.


Palavras-chave


terapia relacional sistêmica individual, emancipação do jovem adulto, genograma, workshop de fotos

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, T. (2002). Processos Reflexivos. Rio de Janeiro: Instituto Noos/ITF.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1998). O cliente é o especialista: abordagem terapêutica do não-saber. In: S. McNamee, & K. J. Gergen. A Terapia como Construção Social. Porto Alegre: Artes Médicas. Andolfi, M. (2001). Terapia con el individuo y terapia con la familia. Sistemas Familiares, 17 (1), 29-42.

Andolfi, M. (2003). El coloquio relacional. Barcelona: Paidós.

Asen, E., Tomson, D., Young, V., & Tomson, P. (2012). 10 minutos para família: Intervenções sistêmicas em atenção primária à saúde. Porto Alegre, RS: Artmed.

Boscolo, L., & Bertrando P. (2012) Terapia Sistêmica Individual: Manual prático na clínica. Belo Horizonte: Artesã.

Boszormenyi-Nagy, I., & Spark, G. M. (2003). Lealtades invisibles. Madrid, España: Amorrortu.

Cerveny, C. M. de O. (2002). Pensandoma família sistemicamente. In C.M. demO. Cerveny & C. M. E. Berthoud (Eds.) Visitando a família ao longo do ciclo vital (Cap.1, pp. 17-27). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cerveny, C. M. de O. (2011). Intergeracionalidade:mHeranças na produçãomdo conhecimento. São Paulo: Roca.

Grandesso, M. (2001). Terapias pós-modernas: um panorama. Trabalho apresentado no Congresso da IFTA, em Porto Alegre, Brasil, em novembro de 2001. Publicado na Revista Sistemas Familiares (Buenos Aires – Argentina). Retirado do http://www.terapianarrativa.com.br/artigos/pos-moderno.pdf.

Guimarães, N. V., & Cruz, M. G. (2004) Dissonâncias na Terapia Individual Sistêmica. Revista Família e Comunidade, 2(1), 43-58.

Justo, J. S., & Vasconcelos, M. S. (2009). Pensando a fotografia na pesquisa qualitativa em psicologia. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9(3), 760-774

McGoldrick, M., Gerson, R., & Petry, S. (2012). Genogramas: Avaliação e intervenção familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Mello, D. F. de, Viera, C.S.; Simpionato, E.; Biasoli-Alves, Z. M. M.; & Nascimento L. C. (2005). Genograma e Ecomapa: possibilidades de utilização na estratégia de saúde da família. Rev Bras Cresc Desenv Hum, 15,(1), 79-89.

Minuchin, S. (1990). Famílias: funcionamento e tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Minuchin, P.; Colapinto, J., & Minuchin, S. (1999). Trabalhando com famílias pobres. Porto Alegre: Artes Médicas.

Morin, E. (2005). Os saberes necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez.

Nascimento, L.C.; Rocha, S. M. M., & Hayes, V. E. (2005). Contribuições do genograma e do ecomapa para o estudo de famílias em enfermagem pediátrica. Texto/Contexto Enfermagem, 14 (2), 280-286.

Najmanovich, D. (1995). El lenguaje de los vínculos: de la independencia absoluta a la autonomia relativa. In E. Dabas, & D. Najmanovich. Redes El lenguaje de los vínculos: hacia la reconstrucción y el fortalecimiento de la sociedad civil. Buenos Aires: Paidós. Nichols, M.P., & Schwartz, R.C. (1998).

O contexto histórico da terapia familiar. In M. P. Nichols, & R. C. Schwartz (eds.). Terapia Familiar: Conceitos e Métodos. Porto Alegre: Artmed, pp.21-74.

Osório, L. C., & Valle M. E. (2002). Terapia de famílias: novas tendências. Porto Alegre: Artmed.

Palazzoli, M. S., Boscolo, L., Cecchin, G., & Prata G. (1988). Paradoja y contraparadoja: un nuevo modelo en la terapia de la familia de transacción esquizofrénica.Barcelona: Paidós.

Souza, C. de D. (2010). O jovem adulto solteiro e a terapia relacional sistêmica. 40 f. Monografia (Especialização em Terapia Relacional Sistêmica) – Familiare Instituto Sistêmico, Florianópolis.

Tronco C. B. (2008) . Contribuições para uma Terapia Sistêmica Individual. Pensando Famílias, 12(1), 133-142.

Vasconcellos, M. J. E. de. (2002). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Papirus.

Vasconcellos, M. J. E. de. (2005). Pensamento sistêmico novo-paradigmático e a questão da terapia sistêmica individual. In J. G. Aun, M. J. E. de Vasconcelos, & S. V.Coelho. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais: fundamentos teóricos e epistemológicos. Belo Horizonte: Ophicina de Arte & Prosa, Vol. 1, Parte 2, pp. 91-97.

Vidal, A. B. (2006). A diferença que fez a diferença: o uso incomum da equipe reflexiva de Tom Andersen, Pensando Famílias, 10(2), 117-134.

Wendt, N. C., & Crepaldi, M. A. (2008). A utilização do genograma como instrumento de coleta de dados na pesquisa qualitativa. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(2), 302-310. White, M. (2012). Mapas da prática narrativa. Porto Alegre: Pacartes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.