Ateliês em curso – tecendo metodologias de facilitação

Cecilia Abrahamsson

Resumo


Este artigo é uma narrativa construída coletivamente por pessoas que participaram do Curso de Teoria e Prática com Grupos realizado em 2012 e 2013 no Instituto Noos e continuaram após o final do curso em um novo grupo denominado Formação Continuada até a presente data. O artigo pretende realizar uma narrativa reflexiva sobre esta trajetória. Ele aborda algumas de nossas premissas a respeito de comunidades de aprendizagem e construção coletiva de conhecimento, alinhadas com o construcionismo social e com o pensamento de autores como Paulo Freire, Donald Schön, Sheila McNamee e Saúl Fuks. Destacamos a forma de trabalhar que chamamos ateliê e seus pilares: o acordo de convivência, falar de si e a facilitação/o facilitador.

Palavras-chave


grupo, facilitação, comunidades de aprendizagem, construcionismo social

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, H. (1998). Collaborative Learning Communities. In: S. McNamee & K. J. Gergen (Eds.), Relational Responsibility: Resources for sustainable dialogue. Londres: Sage Publishing.

Barreto, A. (2005). Terapia Comunitária passo a passo. Fortaleza: Gráfica LCR.

Cooperrider, D. L.; Whitney, D. (2006). Investigação Apreciativa: uma abordagem positiva para a gestão de mudanças. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Freire, P. (1983). Extensão ou comunicação? (7a ed.) Rio de Janeiro: Paes e Terra.

______ (1987). Pedagogia do Oprimido. (17a ed.) Rio de Janeiro: Paes e Terra.

Freire, P.; Faundez, A. (1985). Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Fuks, S. (1995). Diseños dialogicos en contextos psicosociales complejos. Recuperado de http://moiru.com.ar/count.php?a=148.

______ (2009). La facilitación sistémica de procesos colectivos. “Artesanía de contextos” focalizada en la promoción. In: Revista IRICE (vol. 20, pp. 63-76), Rosario: Instituto Rosario de Investigaciones en Ciencias de la Educación.

______ (s/d). Artesanía de Contextos: Desde contextos de supervivencia a contextos de libertad, la construcción de posibilidades para la colaboración terapéutica. Rosario: inédito.

Ibañez, T. (2001). Como se puede no ser construccionsta hoy en dia? In: T. Ibanez Psicologia social construcionista. (Capítulo VI, pp. 245-259), México: Universidad de Guadalajara.

Mcnamee, S. (2015). Radical Presence: Alternatives to the therapeutic state. In: European Journal of Psycotherapy and Counselling (vol. 17, n.4, pp. 373-383), Londres: Routledge.

Mcnamee, S.; Gergen, K., Eds. (1998). Relational Responsibility: Resources for sustainable dialogue. Londres: Sage Publishing.

Rapizo, R. (2013). Entre laços e nós, perdas e ganhos: um espaço de conversas sobre divórcio. Tese de doutorado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-graduação em Psicologia Social. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Rapizo, R.; Brito, L.M.T. (2014), Espaço de conversas sobre o divórcio: a diferença como recurso para transformação. In: Nova Perspectiva Sistêmica, (n. 50, pp. 32-50), Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Rasera, E.; Japur, M. (2007). Grupo como Construção Social: Aproximações entre Construcionismo Social e Terapia de Grupo. São Paulo: Vetor.

Schon, D. (1983). The Reflective practitioner. Nova York: Basic Books.

______ (1992). Formar professores como profissionais reflexivos. In: A. Nóvoa (Coord.) Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote.

Sennet, R. (2009). O Artífice. Rio de Janeiro: Record.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC e MIAR Universitat Barcelona, tem conceito B3 no Qualis.