Diálogos entre o discurso construcionista social e a terapia social

Ana Flávia Manfrim, Emerson Rasera

Resumo


Interessado na ampliação dos diálogos entre o construcionismo social e as diversas propostas terapêuticas orientadas pelo discurso pós-moderno, o presente ensaio teve como objetivo refletir sobre as aproximações e distanciamentos entre o discurso construcionista social e a terapia social. A partir das propostas construcionistas no que se refere à postura e às práticas terapêuticas, foi realizada uma análise crítica e comparativa de obras da terapia social. Destacamos como pontos de aproximação: a orientação colaborativa, a relevância de valores, a ênfase relacional e o foco na ação. Por outro lado, percebemos tensões no que se refere à flexibilidade de perspectivas e à ênfase discursiva. Concluímos que os distanciamentos analisados podem funcionar como convites à reflexão e ao desenvolvimento teórico do construcionismo e da terapia social.

Palavras-chave


construcionismo social, terapia social, psicoterapia, mudança social

Texto completo:

PDF

Referências


Camargo-Borges, C. (2011). Terapia social: desenvolvimento humano e mudança social. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62 (3), 1-114.

Gergen, K. J. (1985). The social constructionist movement in modern psychology. American Psychologist, 40 (3), 266-275.

Gergen, K. J. (1994). Realities and Relationships: Soundings in Social Constructionism. Cambridge: Harvard University Press.

Gergen, K. J. (2014). From mirroring to world-making: research as future forming. Journal for the Theory of Social Behaviour, doi: 10.1111/jtsb.12075

Gergen, K. J. & Gergen, M. (2010). Construcionismo social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Gergen, K. J. & Gergen, M. (2012). Playing with purpose: adventures in performative social science. New York: Routledge.

Gergen, K. J. & Ness, O. (2016). Therapeutic practice as social construction. In: M. O’Reilly et al (eds). The Palgrave Handbook of Adult Mental Health. (p. 502- 519). Hampshire: Palgrave MacMillan.

Gergen, K. J. & McNamee, S. (2010). Do discurso sobre a desordem ao diálogo transformador. Nova Perspectiva Sistêmica, 38, 47-62.

Gergen, K. J. & Warhuus, L. (2001). Terapia como construção social: características, reflexões e evoluções. In: M.M. Gonçalves & O.F. Gonçalves (orgs). Psicoterapia, discurso e narrativa: a construção conversacional da mudança (pp. 27-64). Coimbra: Quarteto.

Grandesso, M. (2000). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Holzman, L. (Org.) (1999). Performing psychology: a postmodern culture of the mind. New York: Routledge.

Holzman, L (1999). Life as performance (Can you practice psychology if there's nothing that's "really" going on?). In: L. Holzman (1999). Performing psychology: a postmodern culture of the mind (pp. 49-71). New York: Routledge.

Holzman, L. (2006) Activating postmodernism. Theory & Psychology, 16 (1), 109-123.

Holzman, L. (2014) Social therapy: draft of entries in the forthcoming encyclopedia of critical psychology. Available on: http://eastsideinstitute.org/wp-content/uploads/2014/05/ECP.pdf. Access in: 05/04/2015, 21:57.

Holzman, L. & Mendez, R. (2003). Psychological investigations: a clinician's guide to social therapy. New York: Brunner-Routledge.

Holzman, L. & Newman, F. (1988). History as an anti-paradigm - Work in progress toward a new developmental and clinical Psychology. In: L. Holzman, & L. Polk, (1988). History is the cure: A social therapy reader (pp. 55-67). New York: Practice Press.

Holzman, L. & Newman, F. (2012). Activity and performance (and their discourses) in social therapeutic method (p.184-195). In: T. Strong, & A. Lock (2012). Discursive perspectives in therapeutic practice. Oxford: University Press.

Holzman, L. & Polk, H. (1988). History is the cure: a social therapy reader. New York: Practice Press.

Martins, P. P. S., Santos, C. P. & Rasera, E. F. (2013). A terapia focada na solução e suas aproximações ao discurso construcionista social. Estudos de Psicologia, 30 (1), p. 111-120.

McNamee, S. & Gergen, K. J. (1998). Introdução. In: S. McNamee, & K. J. Gergen (orgs.). A terapia como construção social (pp. 117-139). Porto Alegre: Artes Médicas.

Moscheta, M. S. (2012). Performance e Identidade: Apontamentos para uma apreciação estético-relacional do desenvolvimento. Nova Perspectiva Sistêmica, 44, 9-20.

Newman, F. & Holzman, L. (1996). Unscientific Psychology: a cultural-performatory approach to understanding human life. Lincoln: iUniverse.

Newman, F. & Gergen, K. (1999). Diagnosis: the human cost of the rage to order. In: L. Holzman.(1999). Performing psychology: a postmodern culture of the mind (pp. 73-86). New York: Routledge.

Peruzzo Jr., L. (2011). O conceito de lebensform (formas de vida) na filosofia de Wittgenstein. Ítaca, 17, 73-85.

Rasera, E. F. & Guanaes, C. (2006). O terapeuta como produtor de conhecimentos: contribuições da perspectiva construcionista social. Nova Perspectiva Sistêmica, 26, 76-85.

Rasera, E. F. & Japur, M. (2004). Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estudos de Psicologia, 9(3), 431-439.

Rasera, E. F. & Japur, M. (2007). Grupo como construção social: aproximações entre construcionismo social e terapia de grupo. São Paulo: Vetor.

Souza, L. V. (2014). Discurso construcionista social: uma apresentação possível. In: C. Guanaes-Lorenzi, M. S Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (orgs): Construcionismo social: discurso, prática e produção de conhecimento (p. 49-72). Rio de Janeiro: Instituto Noos.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.