GENOGRAMA NO CONTEXTO DO SUS E SUAS A PARTIR DE UM ESTUDO DE CASO

MONICA BARRETO, MARIA APARECIDA CREPALDI

Resumo


O genograma como técnica auxiliar na prática do psicólogo, seja na clínica ou nos contextos do SUS e SUAS também por outros profissionais, é o foco deste artigo. Para ilustrar o uso desse recurso, será apresentada a construção do genograma de um casal recasado. O genograma contribuiu com o processo de atendimento em vários aspectos, como proporcionar aos profissionais a visibilidade de todos os membros das famílias de origem e as relações existentes entre eles. A visualização do mapa familiar é útil para o entendimento das posições que cada um ocupa na família de origem e proporciona avanços na formulação de hipóteses sistêmicas. Como cada pessoa, a família tem sua história, suas crenças, seus padrões de interação. O genograma é único e as informações coletadas também vão se diferenciar em função das particularidades de cada família. A sistematização das contribuições do genograma auxilia o profissional a repensar questões do próprio atendimento, assim como subsidia as discussões com os outros profissionais que, por vezes, também estão trabalhando com a mesma família. A relevante contribuição do uso do genograma nos contextos do SUS e SUAS possibilita tanto a reflexão quanto a geração de novas ideias e identificação de potenciais recursos da família diante dos problemas que trazem para o atendimento. Tanto em discussões de caso como em supervisões, ter em mãos essa técnica proporciona pensar em potenciais problemas e
recursos da família e como seguir o atendimento.

Palavras-chave


genograma; terapia de casal; SUS; SUAS

Texto completo:

PDF

Referências


Asen, K. E. & Tomson, P. (1997). La familia dentro de nosotros: genogramas. In Intervención familiar – guía práctica para los profisionales de la salud (pp. 39-51). Barcelona, España: Paidós.

Borges, C. D., Costa, M. M. D., & Faria, J. G. D. (2015). Genograma e atenção básica à saúde: em busca da integralidade. Psicologia e Saúde, 7(2), 133-141.

Bowen, M. (1991). De la familia al individuo. Barcelona: Paidós.

Burd, M. & Baptista, C. (2004). Anamnese da família: genograma e linha do tempo. In J. Mello & M. Burd (Orgs.), Família e doença (pp. 93-110). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Castoldi, L., Lopes, R. C. S., & Prati, L. E. (2006). O genograma como instrumento de pesquisa do impacto de eventos estressores na transição família-escola. Psicologia Reflexão e Crítica, 19(2), 292-300.

Ceberio, M. R. (2004). Quién soy y dónde vengo: el taller de genograma. Buenos Aires: Tres Haches.

Cerveny, C. M. O. (2014). Genograma e suas associações com outras técnicas.In O livro do genograma (pp. 13-23). São Paulo: Roca.

Cerveny, C. M. O. & Galano, M. H. (2014). Genograma na formação de terapeutas. In C. M. O. Cerveny (Org.), O livro do genograma (pp.179-196). São Paulo: Roca.

Costa, N. L. V., Pinto, J. R., & Oliveira, E. N. (2010). Contextos e determinantes da violência intrafamiliar contra os idosos. Saúde Coletiva, 7(43), 206-212.

Crepaldi, M. A., Moré, C. L. O., & Schultz, N. C. W. (2014). Genograma na pesquisa qualitativa. In C. M. O. Cerveny (Org.), O livro do genograma (pp. 197-210). São Paulo: Roca.

Custódio, Z. A . O. (2010). Redes sociais no contexto da prematuridade: fatores de risco e de proteção para o desenvolvimento da criança ao longo de seus dois primeiros anos de vida. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Mendes, J. D. R. , Damasceno, E. C. C. , Netto, J. J. M. , Martins, S. C. , Machado, G. M. O. & Freitas, C. A. S. L. (2014). Construindo Relações e tecendo cuidados a uma adolescente grávida: estudo de caso. In 11º Congresso Internacional da Rede Unida, Fortaleza/CE. Porto alegre: Rede Unida.

Feijó, M. R. (2014). Genograma no trabalho terapêutico com jovens. In C. M. O. Cerveny (Org.), O livro do genograma (pp. 37-43). São Paulo: Roca.

Hintz, H. C. & Forgearini, B. C. (2014). Genograma sexual. In C. M. O. Cerveny, (Org.), O livro do genograma (pp. 131-144). São Paulo: Roca.

Koelzer, L. P., Backes, M. S., & Zanella, A. V. (2014). Psicologia e CRAS: reflexões a partir de uma experiência de estágio. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 7(1), 132-139.

Kruger, L. L & Werlang, B. S. G. (2008). O genograma como recurso no espaço conversacional terapêutico. Avaliação Psicológica, 7(3), 415-426.

Macedo, R. M. S. (2014). Genograma: origens e usos. In C. M. O. Cerveny (Org.), O livro do genograma (pp. 3-11). São Paulo: Roca.

McGoldrick, M & Carter, B. (1995). Constituindo uma família recasada. In As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar (2ª ed., pp. 344-369). Porto Alegre: Artmed.

McGoldrick, M & Gerson, R. (1995). Genetogramas e o ciclo de vida familiar. In B. Carter & M. McGoldrick (Eds.), As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar (2ª ed., pp. 144-164). Porto Alegre: Artmed.

McGoldrick, M & Gerson, R. (2005). Genogramas en la evaluacion familiar (5ª ed.). Barcelona: Edisa. (Original publicado em 1985)

Souza, C. D. & Crepaldi, M. A. (2013). Genograma e workshop de fotografias–intervenções relacionais sistêmicas em processos psicoterapêuticos individuais. Nova Perspectiva Sistêmica, 22(45), 72-88.

Wendt, N. C. & Crepaldi, M. A. (2008). A utilização do genograma como instrumento de coleta de dados na pesquisa qualitativa. Psicologia Reflexão e Crítica, 21(2), 302-310.

Zerbini, M. I. S. (2014). Genograma na clínica com crianças. In C. M. O. Cerveny (Org.), O livro do genograma (pp. 27-35). São Paulo: Roca.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.