Contribuições e implicações da perspectiva dialógica na terapia familiar/de casal.

Camila Maria Del Carlos Pinheiro Sales, Daniel Welton Arruda Cabral

Resumo


A perspectiva dialógica sobre a terapia familiar nos convida a ver outro ângulo que a prática terapêutica pode assumir, especialmente ao considerarmos a participação do terapeuta no processo de mudanças. Neste artigo, cujo método adotado foi a revisão bibliográfica narrativa, de cunho exploratório e abordagem qualitativa, buscamos percorrer brevemente sobre a literatura científica de autores que discorreram sobre alguns dos principais conceitos que inspiram a abordagem dialógica, contribuindo para refletirmos mais diligentemente sobre as mudanças de posições que tomamos quando nos dirigimos à complexidade do encontro terapêutico com famílias/casais. Ainda havendo muito a se investigar sobre conceitos dialógicos neste contexto, há terapeutas de família que têm se dedicado a analisar aspectos dialógicos na respectiva área de atuação, propondo o registro posterior da conversação interna do terapeuta para ampliar o entendimento da experiência terapêutica e fomentar a pesquisa em psicoterapia familiar em uma abordagem dialógica. Concluímos que esta perspectiva, influenciada pelo desconstrutivo pensamento pós-moderno, ajuda a ampliar alguns dos conceitos mais presentes na atual geração da terapia familiar, tornando-os menos idealizados na prática clínica e, portanto, mais úteis ao nosso entendimento sobre a complexidade do trabalho com famílias/casais.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n63a01


Palavras-chave


terapia familiar; terapia de casal; self

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, T. (2002). Processos Reflexivos (2a ed.) (Rosa Maria Bergallo, Trad.). Rio de Janeiro: Instituto NOOS: IFT.

Dialogical Institute. (17 de março de 2010). Hubert Hermans’ Summary on the Dialogical Self [Arquivo de vídeo]. Retirado de https://www.youtube.com/watch?v=TKEKWzZOC3I

Errington, L. (2015). Using dialogical space to create therapy enhancing possibilities with adolescents in family therapy. Australian and New Zealand Journal of Family Therapy, 36, 20-32. doi: 10.1002/anzf.1086

Grandesso, M. (2001). Terapias pós-modernas: um panorama. Revista Sistemas Familiares, 1-23.

Guilfoyle, M. (2003). Dialogue and power: a critical analysis of power in dialogical therapy. Family Process, 42(3), 331-343.

Hermans, H. (2001). The dialogical self: toward a theory of personal and cultural positioning. Culture & Psychology, 7(3), 243-281. doi: 10.1177/1354067X0173001

Lax, W. D. (1998). O pensamento pós-moderno na prática clínica. In McNamee, S. & Gergen, K. Terapia como construção social (pp. 86-105). Porto Alegre: Artmed.

Rasera, E., & Japur, M. (2004). Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estudos de Psicologia, 9(3), 431-439.

Rechdan, M. L. A. (2003). Dialogismo ou polifonia? Revista Ciências Humanas, 9(1), 1-9.

Rober, P. (2005a). Family therapy as a dialogue of living persons: a perspective inspired by Bakhtin, Voloshinov and Shotter. Journal of Marital and Family Therapy, 31(4), 385-397.

Rober, P. (2005b). The therapist’s self in dialogical family therapy: some ideas about not-knowing and the therapist’s inner conversation. Family Process, 44(4), 477-495.

Rober, P. (2015). The challenge of creating dialogical space for both partners in couple therapy. Australian and New Zealand Journal of Family Therapy, 36, 105-121. doi: 10.1002/anzf.1090

Seikkula, J., Laitila, A., & Rober, P. (2012). Making sense of multi-actor dialogues in Family therapy and networking meetings. Journal of Marital and Family Therapy, 38(4), 667-687. doi:10.1111/j.1752-0606.2011.00238.x

Shotter, J. (2009). Bateson, Double description, todes and embodiment: preparing activities and their relation to abduction. Journal for the Theory of Social Behaviour, 39(2), 219–245.

Vasconcellos, M. J. E. (1995). A terapia familiar de base cibernética. In Vasconcellos, M. J. E. Terapia familiar sistêmica: bases cibernéticas (pp. 119-137). Campinas: Editora Psy.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.