O Sexo Dialógico: um conceito facilitador para conversações sobre práticas sexuais

Tema Lenzi, Bruno Lenzi

Resumo


Frequentemente, em nossas práticas clínicas, nos deparamos com clientes que buscam a terapia com temas relacionados às práticas sexuais, à sexualidade e/ou ao gênero. Desenvolvemos com estes clientes um diálogo sobre os significados que acompanham estes dilemas, explorando e enriquecendo onhecimentos, favorecendo a transformação das formas como nos relacionamos com o fenômeno e a coerência da problematização. Neste artigo, gostaríamos de convidar ao diálogo algumas vozes que participam da significação do encontro sexual, desde tradições antigas e rígidas, a inteligibilidades liberais, de entendimentos culturais, a experiências situadas. Então, propomos uma nova forma de entendimento do encontro sexual, que nomeamos sexo dialógico por suas características intrinsecamente associadas ao diálogo e às transformações que ele gera.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n60a04


Palavras-chave


prática sexual, sexualidade, construcionismo social, terapia de casal, terapia dialógica colaborativa

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, T. (2002). Processos reflexivos (2ª ed.). Rio de Janeiro: Noos.

Anderson, H. (2009). Conversação, linguagem e possibilidades: um enfoque pós-moderno da terapia. São Paulo: Roca.

Anderson, H. & Gehart, D. (Eds.). (2007). Collaborative Therapy: Relationships And Conversations That Make a Difference. London: Routledge.

Borges, L. S., Canuto, A. A. A., Oliveira, D. P., & Vaz, R. P. (2013). Abordagens de gênero e sexualidade na psicologia: revendo conceitos, repensando práticas. Psicologia: ciência e profissão. 33(3), 730-745.

Borges, L. S. (2014). Feminismos, teoria queer e psicologia social crítica: (re) contando histórias. Psicologia & Sociedade, 26(2), 280-289.

Foucault, M. (2001). História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2004). Ética, sexualidade, política. São Paulo: Forense Universitária.

Foucault, M. (2007). História da sexualidade, 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal.

Gergen, K. J. (1994). Realities and relationships: soundings in social. Construction. Cambridge: Harvard University Press.

Gergen, K. J. (2009). Construção social e comunicação terapêutica. Nova Perspectiva Sistêmica, 33, 9-36.

Gergen, K. J., Hoffmann, L., & Anderson, H. (1996). Is diagnosis a disaster? A constructionist trialogue. In F. W. Kaslow (Ed.), Handbook of relational diagnosis and dysfunctional family patterns (pp. 102-118). New Jersey: Willey.

Gergen, K. J. & McNamee, S. (2010). Do discurso sobre a desordem ao diálogo transformador. Nova perspectiva Sistêmica, 38, 47-62.

Hoffmann, L. (2007). The art of "withness": A New Bright Edge. In H. Anderson & D. Gehart (Eds.), Collaborative Therapy: Relationships And Conversations That Make a Difference (pp. 63-80). London: Routledge.

Lenzi, B., Dos Anjos, A. C., Westphal, A. C., Raffs, K. C., Gonçalves, L.,

Germani, M., Apóstolo, M. V., & Cichela, V. (2015). A construção da postura profissional para o encontro terapêutico. Nova Perspectiva Sistêmica, 53, 07-23.

Lenzi, B. (2017). O fazer é o estar em terapia dialógico colaborativa. Nova Perspectiva Sistêmica, 57, 37-52.

Lenzi,T. (2013). Personagens internos. Nova Perspectiva Sistêmica, 47, 86-98.

Louro, G. L. (2000). Escola e Identidade. Educação & Realidade, 25(2), 59-76.

Louro, G. L. (2004). Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e Teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica.

Maturana, H. & Rezepka, S. N. (2008). Formação humana e capacitação (5ª ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

McNamee, S. & Gergen, K. J. (1999). Relational Responsability. Resources for sustainable dialogue. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Nogueira, C. (2001). Contribuições do construcionismo social a uma nova psicologia do gênero. Cadernos de Pesquisa, 112, 137-153.

Rasera, E. F., Teixeira, F. B., & Rocha, R. M. G. (2014). Construcionismo social, comunidade e sexualidade: trajando com travestis. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza. (Orgs.), Construcionismo Social: discurso, prática e produção de conhecimento (pp. 289-301). Editora NOOS. Rio de Janeiro.

Shotter, J. (1993). Conversational Realities. Constructing life through language. London: Sage.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.