O estado da arte: construcionismo social e a performance terapêutica no Brasil

Taffarel Ramires Fernandes, Vinícius Amarante Nascimento

Resumo


Este estudo de revisão propôs o mapeamento da produção de artigos científicos referentes à clínica psicoterápica construcionista social. A partir do método bibliográfico denominado “Estado da arte”, foi realizado um levantamento de artigos científicos publicados na plataforma virtual Biblioteca Virtual de Saúde – Psicologia (BVS-PSI) e Scientific Electronic Library Online (SciELO). Obteve-se como resultado a coleta de 09 artigos que, posteriormente à leitura na íntegra, foram organizados em 03 eixos temáticos: abordagens teóricas, narrativas sobre o terapeuta e o conceito de self. Esse processo de estudo evidenciou a orientação do construcionismo social para a constituição de uma prática clínica colaborativa em que o terapeuta atua de maneira reflexiva, dialógica e engajada.

 

http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n64a01


Palavras-chave


Construcionismo social; Psicoterapia; Terapeuta

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, A. E. V., Luca, L., Rodrigues, T.C., Leite, C.A., Lopes, F.L., & Silva, M. A. (2012). Serviços de Psicologia em clínicas-escola: revisão de literatura. Boletim de Psicologia(São Paulo), 62(136), 7-520. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/bolpsi/v62n136/v62n136a05.pdf

Brito, R. M. M.& Germano, I. M. P. (2013). Terapia narrativa e abordagem colaborativa: contribuições do Construcionismo social para a clínica pós-moderna. Nova Perspectiva Sistêmica, 22(47), 57-73. Recuperado de http://www.revistanps.com.br/index.php/nps/article/view/7/8

Gergen, K. J. (1985). The social constructionism movement in modern psychology. American Psychologist,40(3), 266-275.

Gergen, K. J. & Ness, O. (2016). Therapeutic practice as social construction. In M. O’Reilly et al. (Eds.),The Palgrave Handbook of Adult Mental Health (pp. 502-519). Hampshire: Palgrave MacMillan.

Guanaes, C. & Japur, M. (2003). Construcionismo social e metapsicologia: um diálogo sobre o conceito de self. Psicologia: Teoria e Pesquisa(Brasília), 19(2), 135-143. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ptp/v19n2/a05v19n2

Harper, D. (2004). Introducing social constructionist and critical psychology into clinical psychology training. In G. Lerner& D. Paré (Orgs.), Collaborative Practice in Psychology and Therapy (pp. 157-170). New York: Haworth Press.

Lenzi, B., Anjos, A.C., Westphal, A.C., Raffs, K.C., Gonçalves, L., Germani, M. et al. (2015). A construção da postura profissional para o encontro terapêutico. Nova Perspectiva Sistêmica, 24(53), 7-23. Recuperado de http://www.revistanps.com.br/index.php/nps/article/view/109/105

Manfrim, A. F. N.&Rasera, E. F. (2016). Diálogos entre o discurso construcionista social e a terapia social. Nova Perspectiva Sistêmica, 25(56), 34-48. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/nps/v25n56/n25a04.pdf

Martins, P. P. S., Santos, C. P., & Rasera, E. F. (2013). A terapia focada na solução e suas aproximações ao discurso construcionista social. Estudos de Psicologia (Campinas), 30(1), 111-120). Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2013000100012

Martins, P. P. S., Silva, G. M., & Guanaes-Lorenzi, C. (2014). Os sentidos de uma intervenção e suas implicações para a construção do senso de competência de um terapeuta. Nova Perspectiva Sistêmica (Rio de Janeiro), 23(50), 18-31. Recuperado de http://www.revistanps.com.br/index.php/nps/article/view/89/80

Mirim, L. Y. L. (2004). Garimpando sentidos em bases de dados. In M. J. Spink (Org.), Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações metodológicas (3a ed., pp. 153-181). São Paulo: Cortez.

Paula-Ravagnani, G. S., Guanaes-Lorenzi, C., & Rasera, E. F. (2017). Use of theoretical models in family therapy: Focus on social constructionism. Paidéia(Ribeirão Preto), 27(67), 84-92. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272767201710

Rasera, E. F. & Japur, M. (2004) Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estudos de Psicologia (Natal), 9(3), 431-439. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epsic/v9n3/a05v09n3.pdf

Romanowski. J. P. & Eens. R. T. (2016). As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Revista Diálogo Educacional (Curitiba), 6(6), 37-50. Recuperado de http://www.file:///C:/Users/User/Downloads/dialogo-237%20(1).pdf

Rosas, E. V.& Rapizo, R. (2011). Construcionismo social e a formação de terapeutas: em busca de coerência. Nova Perspectiva Sistêmica, 20(41), 54-64. Recuperado de http://www.revistanps.com.br/index.php/nps/article/viewFile/205/186

Shotter, J. (1993). Conversational realities: constructing life trough language. London: Sage.

Spink, M. J. & Medrado, B. (2013). Produção de Sentido no cotidiano. In M. J. Spink (Org.), Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações metodológicas(pp.22-41). São Paulo: Cortez.

Spink, P., Ribeiro, M. A. T., Conejo, S. P., & Souza, E. (2014) Documentos de Domínio Público e a produção de informações. InM. J. P. Spink, J. I. M. Brigagão, V. L. V. Nascimento,& M. P. Cordeiro (Orgs.), A produção de informação na pesquisa social: compartilhando informações (pp. 207 -228). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Vosgerau, D. S. A. R.&Romanowski, J. P. (2014). Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista Diálogo Educacional, 14(41), 165-189. Recuperado de https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/2317

Winslade, J. & Monk, G. (2016). Mediação narrativa: uma abordagem diferenciada para a resolução de conflitos. Nova Perspectiva Sistêmica (Rio de Janeiro), 25(54), 7-16. Recuperado de http://www.revistanps.com.br/index.php/nps/article/view/99/121


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.