O atendimento psicológico ao adolescente e o caráter terapêutico da orientação de pais: estudo de caso em terapia sistêmica individual

Etiene Oliveira Silva de Macedo, Analice de Sousa Arruda Vinhal Carvalho

Resumo


Esse artigo apresenta o estudo de caso de um atendimento psicoterapêutico realizado com uma adolescente e sua família, com base na terapia sistêmica individual. O objetivo é mostrar como a terapia sistêmica pode ser realizada com crianças e adolescentes de modo individual, incluindo também a família no formato de orientação de pais. Metáforas, perguntas circulares e jogos terapêuticos foram utilizados ao longo do atendimento, realizado em sessões individuais com a adolescente e sessões de orientação de pais. As sessões individuais e sessões de orientação de pais mantiveram o foco na dinâmica relacional do grupo familiar e suas ressonâncias no desenvolvimento da adolescente, destacando aspectos da complexidade, instabilidade e intersubjetividade presente na relação pais e filhos.


http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n64a05


Palavras-chave


Psicoterapia com adolescente; Orientação de pais; Terapia sistêmica individual

Texto completo:

PDF

Referências


Andolfi, M. (1984). O indivíduo e a família: dois sistemas em evolução. In M. Andolfi et al. (Orgs.), Por trás da máscara familiar (pp. 17-26). Porto Alegre: Artes Médicas.

Beiras, A.& Souza, C. D. (2015). Contribuições da participação da figura masculina e da coparentalidade para o desenvolvimento integral da criança na primeira infância. In G. A. Pluciennik, M. C. Lazzari, & M. F. Chicaro (Eds.), Fundamentos da família como promotora do desenvolvimento infantil: parentalidade em foco (pp.58-68). São Paulo: Fundação Maria Cecília Souto Vidigal.

Berthoud, C. M. (2003). Ressignificando a parentalidade: desafios de ser pais na atualidade. São Paulo: Cabral Editora Universitária.

Boscolo, L.& Bertrando, P. (2013). Terapia sistêmica individual: manual prático na clínica. Belo Horizonte: Artesã.

Bowlby, J. (1989). Uma base segura: aplicações clínicas da teoria do apego. Porto Alegre: Artes Médicas.

Carter, B. M.& McGoldrick, M. (1995a). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. In As mudanças no ciclo de vida familiar (2a ed., pp. 7-29). Porto Alegre: Artmed.

Carter, B. M.& McGoldrick, M. (1995b). Transformação do sistema familiar na adolescência. In As mudanças no ciclo de vida familiar (2ª ed., pp.223-247). Porto Alegre: Artmed.

Costa, M. F. A. A. (2016). Autoconhecimento e coaching para adolescentes e adultos. Foz do Iguaçu, PR: Terapia Criativa.

Cowan, P. A.& Cowan, C. P. (2016). Transições familiares normativas, qualidade da relação do casal e desenvolvimento sadio dos filhos. In F. Walsh (Org.), Processos normativos da família: diversidade e complexidade (pp.428-451). Porto Alegre: Artmed.

Diamond, G. S.& Stern, R. S. (2003). Attachment-based family therapy for depressed adolescents: repairing attachment failures. In V.E. W. Johnson (Org.), Attachment processes in couple and family therapy (pp. 191-214). New York: The Guilford Press.

Escudero, V.& Muñiz de La Peña, C. (2008). Adolescentes y familias en conflicto: Un modelo de intervención focalizada en la alianza terapéutica. Sistemas Familiares, 26(1), 61-91.Recuperado dehttp://www.centroterapiafamiliar.com/wp-content/uploads/2010/03/TFAdolescentes_SitFam2010.pdf

Feinberg M. (2003). The internal structure and ecological context of coparenting: A framework for research and intervention. Parenting: Science and Practice, 3, 95-131. Recuperado dehttp://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822005000300010

Guimarães, F. L.& Costa. L. F. (2003). Clínica psicológica do adolescente: do sistema à abordagem narrativista. Paideiai (Ribeirão Preto),12(24), 163-174. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2002000300005

Kobac, R.& Mandelbaum, T. (2003). Caring for caregiver: an attachment approach to assessment and treatment of child problems. In V.E. W. Johnson (Org.), Attachment processes in couple and family therapy (pp.144-164). New York: The Guilford Press.

Lopes Oliveira, M. C. (2006). Identidade, narrativa e desenvolvimento na adolescência: uma revisão crítica. Psicologia em Estudo, 11(2), 427-436. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722006000200022

Macedo, E. O. S. (2010). Significações sobre adolescência e promoção da saúde entre os participantes de um grupo educativo. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Universidade de Brasília, DF. Recuperado dehttp://repositorio.unb.br/handle/10482/11916

Macedo, E. O. S. (2018). A relação entre família e escola na adolescência: vínculos e afetos como dispositivos de cuidado e proteção. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Universidade Brasília, DF. Recuperado dehttp://repositorio.unb.br/handle/10482/34320

Macedo, E. O. S.& Conceição, M. I. G. (2015). Significações sobre adolescência e saúde entre participantes de um grupo educativo de adolescentes. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(4), 1059-1073.Recuperado de https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=282043249006

Margolin, G., Godis, E. B., & John, R. S. (2001). Coparenting: a link between marital conflict and parenting in two-parent families. Journal of Family Psychology, 15(1), 3-21. http://dx.doi.org/10.1037/0893-3200.15.1.3

McGoldrick, M.& Shibusawa, T. (2016). O ciclo vital familiar. In F. Walsh (Org.), Processos normativos na família (pp.375-398). Porto Alegre: Artmed.

Micucci, J. A. (2009). The adolescent in family therapy: harnessing the power of relationships. New York: The Guilford Press.

Moura, C. B. (2005). Será que conheço você? Jogo terapêutico para pais e filhos. Foz do Iguaçu, PR: Terapia Criativa.

Nichols, M. P. & Schwartz, R. C. (2007). Os fundamentos da terapia familiar. In Terapia familiar: conceitos e métodos (pp.21-27). Porto Alegre: Artmed.

Rodrigues, C. L.& Folquitto, C. T. (2015). Habilidades sociais: desenvolvendo as relações. Novo Hamburgo, RS: Sinopsys.

Rosset, S. M. (2008). Famílias com adolescentes. In L. C. Osório, E. M. Valle ( Orgs.).Manual de terapia familiar (pp. 263-272). Porto Alegre: Artmed.

Souza, C. D., Souza, J. B., Rolim, N. D. O., & Gomes, R. C. M. (2016). Intervenções psicológicas com crianças no CRAS: em busca de recursos e potencialidades. Nova Perspectiva Sistêmica, 25(55), 31-45.

Turato, E. R. (2003). Tratado da metodologia de pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis, RJ: Vozes.

Vasconcelos, M. J. E. (2010). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Papirus.

Walsh, F. (2016). Processos normativos da família: diversidade e complexidade(4a ed.) Porto Alegre: Artmed.

World Health Organization [WHO]. (1997). Programme of mental health. Division of mental health, life skills education in schools. Genebra: Author.

World Health Organization [WHO]. (2014). Health for the world´s adolescents: a second chance in the second decade. Recuperado dehttps://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/112750/WHO_FWC_MCA_14.05_eng.pdf;jsessionid=EA091869043DF35DB653FD52CB9F2E4F?sequence=1


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.