Intervenção psicossocial com adolescentes que cometeram ofensa sexual e suas famílias: o grupo multifamiliar

Andrea Schettino Tavares, Neulabihan Mesquita e Silva Montenegro

Resumo


Este artigo apresenta um relato de experiência sobre uma intervenção psicossocial, de Grupo Multifamiliar (GM), junto a adolescentes que cometeram ofensa sexual. Práticas como esta são uma maneira de garantir proteção às vítimas e diminuição da probabilidade de reincidência. É necessário que haja responsabilização jurídica e atendimento psicossocial para os autores de violência, conforme prevê o Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes. Participaram da intervenção 10 famílias, que se encontraram durante sete sessões, totalizando 21 horas de intervenção grupal. Discutiu-se os seguintes temas: proteção, sexualidade, abuso sexual é crime, transgeracionalidade, autoestima e projeto de namoro e de futuro. O GM oferece aos adolescentes e suas famílias o contexto e os instrumentos para a ampliação do espaço de conversação, orientação parental, reflexão, acolhimento do sofrimento de todos e promoção da saúde. Isto porque enfoca as potencialidades; valoriza os vínculos afetivos, papéis filiais e parentais; e reconhece o momento de busca de autonomia do adolescente e a consequente necessidade de aceitação dessa fase do desenvolvimento por parte dos pais (ou cuidadores que exercem esse papel). Após o término do GM, avaliou-se a necessidade de adolescentes serem encaminhados para a rede de proteção, em relação às vulnerabilidades presentes.


http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n64a06


Palavras-chave


Adolescentes; Ofensa sexual; Intervenção psicossocial; Grupo multifamiliar

Texto completo:

PDF

Referências


Andolfi, M. (1981). A Terapia Familiar. Lisboa: Vega.

Andolfi, M. (2018). A Terapia Familiar Multigeracional. Instrumentos e Recursos do Terapeuta. Belo Horizonte: Artesã.

Andolfi, M., Angelo, C., & Nichilo, M. (1989). The Myth of Atlas. Families & The Therapeutic Story. New York: Brunner /Mazel.

Andolfi, M. & Mascellani, A. (2012). Historias de la Adolescencia. Buenos Aires: Gedisa.

Barbaree, H. E. & Marshall, W. L. (2008). The Juvenile Sex Offender. New York: Guilford Press.

Boscolo, L., Cecchin, G., Hoffman, L, & Penn, P. (1993). A Terapia Familiar Sistêmica de Milão. Porto Alegre: Artes Médicas.

Carreteiro, T. C. (2010). Adolescências e experimentações possíveis. In M. M. Marra & L. F. Costa (Eds.), Temas da Clínica do adolescente e da família (pp.15-24). São Paulo: Ágora.

Conceição, M. I. G., Penso, M. A., Costa, L. F., Marreco, D. F., Junqueira, E. L., & Chaves, M. N. S. G. (2016). Revitimização no abuso sexual: a vítima e o adolescente ofensor. In L. F. Habigzang, L. C. A. Williams, & P. I. C. Gomide (Eds.), A Outra Face da Violência. Agressores em múltiplos contextos (pp. 105-121). Curitiba: Juruá.

Costa, L. F. (2011). Participação de Famílias no Grupo Multifamiliar de Adolescentes Ofensores Sexuais: vergonha e confiança. Psicologia Clínica, 23(1), 185-201. doi: 10.1590/S0103-56652011000100012.

Costa, L. F., Almeida, T. M. C., Ribeiro, M. A., & Penso, M. A. (2009). Grupo Multifamiliar: Espaço para a escuta das famílias em situação de abuso sexual. Psicologia em Estudo, 14(1), 21-30. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pe/v14n1/a04v14n1.pdf

Costa, L. F., Barros, J. F., Marreco, D. F., & Chaves, M. A. N. S. G. (2015a). Meninos pré adolescentes que abusam sexualmente de meninos. Acta Psiquiátrica y Psicológica de América Latina, 61, 80-88.

Costa, L. F., Junqueira, E. L., Meneses, F. F. F., & Stroher, L. M. (2013). As relações familiares do adolescente ofensor sexual. Psico-USF, 18(1), 33-42. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=401036093005

Costa, L. F., Junqueira, E. L., Meneses, F. F. F., Stroher, L. M. C., & Moura, M. G. (2012). Construindo conhecimento sobre o adolescente que cometeu ofensa sexual. Contextos Clínicos, 5(2), 112-120. doi: 10.4013/ctc.2012.52.05

Costa, L. F., Penso, M. A., & Conceição, M. I. G. (2015b). Manual de Grupos Multifamiliares. Brasília, DF: Central de Produções Gráficas e Editora.

Costa, L. F.; Junqueira, E. L.; Ribeiro, A., & Meneses, F. F. F. (2011). “Ministério da Obrigação adverte”: é preciso proteger os adolescentes ofensores sexuais. Avances en Psicologia Latinoamericana, 29(1), 33-46. Recuperado de http://www.scielo.org.co/pdf/apl/v29n1/v29n1a04.pdf

Cotter, J., Drake, R. J., & Yung, A. R. (2016). Adulthood Revictimization: looking beyond childhood trauma. Acta Psychiatrica Scandinavica, 129, 257-274. https://doi.org/ 10.1111/acps.12602.

Czernesia, D. & Freitas, C. (2009). Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Domingues, D. F. (2016). Adolescentes em situação de ofensa sexual intrafamiliar: conhecer e intervir para prevenir a reincidência. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Universidade de Brasília, DF. Recuperado de http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/21222/1/2016_DanielaFontouraDomingues.pdf

Domingues, D. F. & Costa, L. F. (2016). O adolescente em situação de ofensa sexual: proteção e responsabilização para evitar a reincidência. Psicologia Política, 16(35), 139-151. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v16n36/v16n36a02.pdf

Esteves Vasconcellos, M. J. (2018). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Papirus.

Finkelhor, D. (1984). Child sexual abuse: New theory and research. New York: Free Press

Finkelhor, D., Ormrod, R., Turner, H., & Holt (2009). Pathways to Polyvictimization. Child Maltreatment, 14(4), 316-329. doi: 10.1177/1077559509347012

Finkelhor, D., Turner, H., Hamby, S., & Ormrod, R. (2011). Poly-victimization: Children’s Exposure to Multiple Types of Violence, Crime, and Abuse (pp. 1-12). Washington, DC: US Government Printing Office. Recuperado de https://scholars.unh.edu/ccrc/25/

Fontenele, L. Q. & Miranda, L. L. (2017). Adolescência(s): Produções e Atravessamentos Discursivos em Análise. Temas em Psicologia, 25(3), 969-982. doi: 10.9788/TP2017.3-04

Forensic Psychology Practice. (2006). Adolescent sex offenders. A practitioner’s portfolio. Boldmere: The Willow Clinic.

Garcia-Moreno, C. & Watts, C. (2011) Violence against Women: An Urgent Public Health Priority. Bulletin of the World Health Organization, 89(1), 2.

Gree, L. & Masson, H. (2002). Adolescents who sexually abuse and residential accommodation: issues of risk and vulnerability. British Journal of Social Work, 32, 149-168. doi: 10.1093/bjsw%2F32.2.149

Henggeler, S. W., Letourneau, E. J., Chapman, J. E., Borduin, C. M., Schewe, P. A., & McCart, M. R. (2009). Mediators of Change for Multisystemic Tehapy with Juvenile Sexual Offenders. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 27(3), 451-462. doi: 10.1037/a0013971.

Laquer, P. (1983). Terapia Familiar Múltipla: Perguntas e Respostas. In D. Bloch (Ed.), Técnicas de Psicoterapia Familiar (pp. 93-107). São Paulo: Atheneu.

Lax, W. D. & Lussardi, D. (1997). El uso de rituales em famílias con adolescentes. In E. Imber-Black, J. Roberts, & R, Whiting (Eds.), Rituales Terapeuticos y Ritos en la Familia (pp. 190-208). Barcelona: Gedisa.

Lei n. 8.079, de 13 de julho de 1990. (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm

Marshall, W. L. (2001). Agresores sexuales. Barcelona: Ariel.

Marshall, W. L. (2006). Treatment of Sexual offenders and its Effects. Resource Material Series, 72, 1-11.

Marshall, W. L. & Marshall, L. E. (2000). The origins of sexual offending. Trauma, Violence, & Abuse, 1(3), 250-263. doi: 10.1177/1524838000001003003

Marshall, W. L., Marshall, L. E., & Ware, J. (2009). Cognitive distortions in sexual offenders: Should they all be treatment targets? Sexual Abuse in Australia and New Zealand, 2, 70-78. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/276268098_Cognitive_Distortions_in_Sexual_Offenders_Should_they_all_be_Treatment_Targets

Marty, F. (2012). A função do agir na adolescência. In D. M. Amparo, S. F. C Almeida, K. T. R. Brasil, M. I. G. Conceição, & F. Marty (Eds.), Adolescência e Violência. Intervenções e Estudos Clínicos, psicossociais e educacionais (pp. 17-29). Brasília, DF: EdUnB.

Minuchin, S. (1982). Famílias: funcionamento & tratamento. Porto Alegre: Artes médicas.

Minuchin, S., Nichols, M. P., & Lee, W-Y. (2009). Famílias e Casais. Do sintoma ao sistema. Porto Alegre: Artmed.

Oliveira, J. R. (2014). Violência sexual e concorrências em crianças e adolescentes: estudo das incidências ao longo de uma década. Ciência & Saúde Coletiva, 19(3), 759-771.

Oliver, B. E. (2007). Three steps to reducing child molestation by adolescents. Child Abuse & Neglect, 31, 683-689.

Organização Mundial de Saúde. (2002). Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Genebra: Autor.

Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes (2013). Compromisso de defesa intransigente dos direitos de crianças e adolescentes. Brasília- DF: Secretaria Nacional de Direitos Humanos. Recuperado de http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/sedh/08_2013_pnevsca.pdf

Pelisoli, C., Teodoro, M. L. M., Dell’Aglio, D., & Dalbosco, D. (2007). A percepção de família em vítimas de abuso sexual intrafamiliar: estudo de caso. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 59(2), 256-269. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672007000200014

Penso, M. A., Conceição, M. I. G., Costa, L. F., & Carreteiro, T. C. O. C. (2012). Jovens pedem socorro: o adolescente que praticou ato infracional e o adolescente que cometeu ofensa sexual. Brasília, DF: Universa.

Pincolini, A. M. F. & Hutz, C. S. (2014). Abusadores sexuais adultos e adolescentes no sul do Brasil: pesquisa em denúncias e sentenças judiciais. Temas em Psicologia, 22(2), 301-312. doi: 10.9788/TP2014.2-03.

Platt, V. B., Back, I. C., Hauschild, D. B., & Guedert, J. M. (2018). Violência sexual contra crianças: autores, vítimas e consequências. Ciência & Saúde Coletiva, 23(4), 1019-1031. doi: 10.1590/1413-81232018234.11362016

Ryan, E. P. (2012). Changing perceptions of juvenile sexual offending in society and legal system. In E. P. Ryan, J. A. Hunter, & D. C. Murrie (Eds.), Juvenile sex offenders: A guide to evaluation and treatment for mental health professionals (pp. 1-20). New York: Oxford University Press.

Said, A. P., Junqueira, E. L., & Costa, L. F. (2016). A Passagem ao Ato no Abuso Sexual Intrafamiliar Fraterno de Menino. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, 14, 5-12. doi: 10.17921/2176-5626.n14p5-12

Sandvik, M., Nesset, M. B., Berg, A., & Søndenaa, E. (2017). The Voices of Young Sexual Offenders in Norway: A Qualitative Study. Open Journal of Social Sciences, 5, 82-95. doi: 10.4236/jss.2017.52009

Saraiva, J. B. C. (2017). O direito penal para adolescentes: um rápido panorama dos direitos humanos especiais destes sujeitos em peculiar condição de desenvolvimento em nosso continente e no Brasil. In A. P. Andrade & B. A. Machado (Eds.), Justiça Juvenil. Paradigmas e experiências comparadas (pp.137-153). São Paulo: Marcial Pons/ FESMP.

Seto, M. C. (2008). Pedophilia and Sexual Offending Against Children: Theory, Assessment, and Intervention. Washington, DC: APA.

Seto, M. C., Babchishin, K. M., Pullman, L. E., & McPhail, I. V. (2015). The puzzle of intrafamilial child sexual abuse: A meta-analysis comparing intrafamilial and extrafamilial offenders with child victims. Clinical Psychology Review, 39, 42-57. doi: 10.1016/j.cpr.2015.04.001

Swenson, C. C., Schaeffer, C. M., Henggeler, S. W., Faldowski, R., & Mayhew, A. M. (2010). Multisystemic Therapy for Child and Neglect: A Ramdomized Effectiveness Trial. Journal of Family Therapy, 24(4), 497-507. doi: 10.1037/a0020324

Ward, T. & Beech, A. R. (2016). The Integrated Theory of Sexual Offending–Revised. A Multifield Perspective. doi: 10.1002/9781118574003.

Wolff, L., Oliveira, E. S., Marra, M. M., & Costa, L. F. (2016). O Recurso Psicodramático na Intervenção com o Adulto Autor de Ofensa Sexual. Revista Brasileira de Psicodrama, 24(2), 1-10. doi: 10.15329/2318-0498.20160020

Worley, K. B., Church, J. K., & Clemmons, J. C. (2012). Parents of adolescents who have committed sexual offenses: Characteristics, challenges, and interventions. Clinical Child Psychology and Psychiatry, 17(3), 432-448. doi: 10.1177/1359104511417787

Worling, J. R. & Langton, C. M. (2017). Treatment of Adolescents Who Have Sexually Offended. In L. Marshall. & W. Marshall (Orgs.), The Wiley Handbook on the Theories, Assessment, and Treatment of Sexual Offending (pp. 1245-1263). New York: John Wiley.

Yozo, R. Y. K. (1996). 100 jogos para grupos: uma abordagem psicodramática para empresas, escolas e clínicas. São Paulo: Àgora.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.