O conceito de Ressonâncias no processo de formação do terapeuta: descobrindo potencialidades e limitações na prática terapêutica

Giovania Mitie Maesima, Monica Barreto, Adriano Beiras

Resumo


O conceito de ressonância utilizado pela Teoria Sistêmica no âmbito clínico compreende sentimentos mobilizados diante do que é abordado no espaço terapêutico. Tais sensações podem tanto contribuir para imobilizar o sistema (cliente e terapeuta), quanto servir como um potente recurso ao terapeuta, dependendo, portanto, da implicação e postura do psicólogo frente às ressonâncias. Desse modo, buscou-se trazer questões relacionadas ao seu uso como recurso, além de tratar da importância das ressonâncias na formação do terapeuta. Por fim, alguns casos foram expostos a fim de elucidar como as ressonâncias surgiram na prática clínica da autora e do grupo do qual faz parte, assim como entre os indivíduos que foram atendidos.


http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632019v28n64a07


Palavras-chave


Ressonância; Terapia Sistêmica; Formação de terapeuta

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, T. (2002). Processos reflexivos (2a ed.). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Andolfi, M. (1996). A linguagem do encontro terapêutico. Porto Alegre: Artes Médicas.

Andolfi, M. (2003). El psicólogo relacional: la construcción del tercer planeta. In Manual de psicología relacional: la dimensión familiar (pp. 177-202).Bogotá: La Silueta.

D’Acri, G., Lima, P., &Orgler, S. (2007). Dicionário de Gestalt-terapia. São Paulo: Summus.

Elkaim, M. (1990). Se você me ama, não me ame: abordagem sistêmica em psicoterapia familiar e Conjugal. Campinas, SP: Papirus.

Elkaim, M. (1998). Panorama das terapias familiares. São Paulo:Summus.

Elkaim, M. (2000). Terapia Familiar em Transformação. São Paulo: Summus.

Elkaim, M. (2005). Observing systems and psychotherapy: what I owe to Heinz von Foerster.Kybernetes, 34(3/4), 385-392.

Ferreira, A. B. H. (2009). Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa (4a ed.). Curitiba: Positivo.

Filomeno, K. (2002). Da Cibernética à Teoria Familiar Sistêmica: Um resgate dos pressupostos(Monografia). Instituto Movimento, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de http://pablo.deassis.net.br/wp-content/uploads/Teoria-Sist%C3%AAmica.pdf

Haber, R. (1990). From Handicap to Handy Capable: Training Systemic Therapists in Use of Self. Family Process, 29(4), 375-384.

Ladvocat, C. (2014). O Mapa do Terapeuta e a Diferenciação do Self como Recursos para a Formação em Terapia Familiar. Revista Brasileira de Terapia Familiar, 5(1), 122-133.

Rossato, M. L. (2017). Terapia familiar como um espaço de ressignificação das relações. Pensando famílias, 21(1), 137-145.

Shotter, J. (2017). Momentos de Referência Comum na Comunicação Dialógica: Uma base para colaboração clara em contextos únicos. Nova Perspectiva Sistêmica, 26(57), 9-20.

Tholl, F.& Beiras, A. (2017). Terapia Familiar com Crianças: a Importância da Interlocução Teórico-prática para a Superação dos Desafios no Processo de Formação do Terapeuta. Nova Perspectiva Sistêmica, 26(58), 86-97.

Tilmans-Ostyn, E.&Rober, P. (2000). O tema da fratria na formação em terapia familiar. In E. Tilmans-Ostyn& M. Meynckens-Fourez (Orgs.),Os recursos da fratria (pp. 217-229). BeloHorizonte: Artesã.

Vasconcellos, M. J. E. (2012). Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da Ciência (7a ed.). Campinas, SP: Papirus.

Zambelli, C. K., Tafuri, M. I., Viana, T. C., &Lazzarini, E. R. (2013). Sobre o conceito de contratransferência em Freud, Ferenczi e Heimann. Psicologia Clínica, 25(1), 179-195. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652013000100012&Ing=pt&tlng=pt


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.