Re-construção da narrativa: um espaço possível na terapia ocupacional

Naiara G Pereira, Cecilia Cruz Villares

Resumo


Os atendimentos clínicos de Terapia Ocupacional na área de saúde mental tem sido mais divulgados nos últimos tempos, com a proposta de se pensar e compartilhar nossa prática. A partir disto, este trabalho apresentará uma articulação teórico-clinica de um processo de Terapia Ocupacional, a partir da perspectiva do construcionismo social. Este descreverá um processo reflexivo dos atendimentos realizados pelo período de aproximadamente dois anos em um ambulatório de esquizofrenia. O foco será na construção de uma narrativa compartilhada dentro do setting de atendimento, com ênfase nas memórias, narrativas e construções conjuntas realizadas no período.

Palavras-chave


construcionismo social, terapia ocupacional, saúde mental

Texto completo:

PDF

Referências


Andersen, T. (2002). Processos reflexivos (2a ed.) Rio de Janeiro: Instituto Noos/ITF.

Anderson, H., & Goolishian, H. A. (1988). Human Systems as Linguistic Systems: Preliminary and Evolving Ideas about the Implications for Clinical Theory. Family Process, 27(4):371-393.

Anderson, H., & Goolishian, H. A. (1998). O cliente é o especialista: uma abordagem para a terapia a partir de uma posição de não saber. In S. McNamee, & K. J. Gergen. A terapia como construção social. (p. 34-50) Porto Alegre: Artes Médicas.

Araújo, N. B., & Morgado, N. (2006). A escuta terapêutica na interlocução clínica: uma contribuição ao construcionismo social pelo viés do pragmatismo linguístico. Nova Perspectiva Sistêmica, 26:24-34.

Gergen, K. J. (2009). Construção social e comunicação terapêutica. Nova Perspectiva Sistêmica,33:9-36.

Gergen, K. J., & Gergen, M. (2010). Construcionismo social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Guanaes, C., & Japur, M. (2008). Contribuições da poética social a psicoterapia de grupo. Estud. psicol. (Natal) 13(2). Recuperado em 20 set. 2012 de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-294X2008000200003&script=sci_arttext.

Micheletti, G. (1997). Repetição e o significado poético: o desdobramento como fator constitutivo na poesia de F. Gullar. Filosofia e Linguística Portuguesa, 1:151-164. Recuperado em 05 jan. 2013 de http://revistas.usp.br/flp/article/view/59650/62746.

Morin, E. (2008). Sobre estratégia. Recuperado em 10 jan. 2013 de http://www.tendencias21.net/estrategar/Edgar-Morin-sobre-estrategia_a42.html.

Rapizo, R. (2006). Ressonâncias da prática: a poética social em um grupo de atendimento a famílias em situação de violência. Nova Perspectiva Sistêmica, 26:35-46.

Rezende, P. C. M. (2011). Aprendendo construcionismo social: as conversas internas de uma terapeuta em formação. Nova Perspectiva Sistêmica, 9:10-16.

Sanches-Justo et al. (2010). O construcionismo social na pesquisa em psicologia. Revista de Psicologia da UNESP, 9(1). Recuperado em 19 set. 2012, de http://www2.assis.unesp.br/revpsico/index.php/revista/article/view/76/204.

Shotter, J. (1995). Wittgenstein’s world: beyond ‘the way of theory’ toward a ‘social poetics’. Recuperado em 20 set. 2012 de http://www.massey.ac.nz/~alock/virtual/poetics.htm.

Shotter, J., & Katz, A. M. (1996). Articulating a practice from within the practice itself: establishing formative dialogues by the use of a ‘social poetics’. Concepts and Transformation, 1 (2/3): 213-237.

Villares, C. C. (2006). Terapia ocupacional. In: S. M. Malta, C. Attux, & R. A. Bressan (Eds). Esquizofrenia: integração clínico-terapêutica. (pp. 51-62.) São Paulo: Atheneu.

Zanini, M., & Cabral, R. F. (2007). In: S. M. Malta, C. Attux, & R. A. Bressan (Eds). Esquizofrenia: integração clínico-terapêutica. São Paulo: Atheneu.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.