Terapia de família com crianças: a mágica possível

Eloisa Vidal Rosas

Resumo


A terapia de família surgiu a partir de uma mudança epistemológica e se instalou na sociedade como efeito das dificuldades que os modelos tradicionais apresentavam quando se tentava abordar as relações familiares. Atualmente, a maneira de se pensar as dificuldades que as crianças apresentam – emocionais, relacionais, de aprendizagem – mudou, e em lugar de vê-las como portadoras de um problema se tende a ampliar o olhar para vê-las como parte de um contexto, participantes de uma rede de comunicações entre os seus responsáveis e levando em conta as possíveis contradições que ocorrem no encontro de modelos familiares diferentes. A autora, a partir da descrição da história de uma terapia, ilustra as alternativas e possibilidades que foram trazidas ao campo da terapia por autores representativos das correntes críticas pós-modernas.

Palavras-chave


terapia de família, narrativa, criatividade, colaboração

Texto completo:

PDF

Referências


¬¬¬Almeida, T. (2000). A nossa casa. In H.Cruz (org.) Papai, mamãe, você... e eu? São Paulo: Casa do Psicólogo.

Andersen, T. (1996). Processos reflexivos. Rio de Janeiro: Noos.

ANDERSON, H.; GOOLISHIAN, H. (1993). O cliente é o especialista: uma abordagem para a terapia a partir de uma posição de não saber. Nova Perspectiva Sistêmica, 2(03), 08-24

Castiel, S. (1996). Em busca de um terapeuta poético. In L.C. Prado (org.) Famílias e terapeutas: construindo caminhos. Porto Alegre: Artes Médicas.

Cecchin, G. (1993). De la estrategia a la no-intervención: hacia la irreverencia en la practica sistémica. Sistemas Familiares, 9(3).

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬__________. (2004). Nova visita à hipotetização, à circularidade e à neutralidade: um convite à curiosidade. Nova Perspectiva Sistêmica, XIII(24).

Cooperrider, D.L. (1995). Introduction to Appreciative Inquiry. In W. French & C. Bell (Eds.). Organization Development. Cleveland: Prentice Hall.

Cruz, H. & Righetti, R. (2009). Terapia de Família com crianças pequenas. In L. C. Osorio & M.E. Valle (org.) Manual de Terapia Familiar. Porto Alegre: Artmed.

Elkaïm, M. (1990). Se você me ama não me ame. São Paulo: Papirus.

Epston, D., Freeman, J., Lobovits, D. (2001). Terapia narrativa para niños: aproximación a los conflictos familiares a través del juego. Buenos Aires: Paidós.

Freeman, J., Epston, D., Lobovits, D. (2001). Terapia narrativa para niños: aproximación a los conflictos familiares a través del juego. Buenos Aires: Paidós.

Fuks, S.I & Vidal Rosas, E. (2009). “FSPC: La Facilitación sistémica de procesos colectivos. Una “Artesanía de Contextos” para la promoción de la creatividad, el acompañamiento de procesos participativos y la generación de relaciones de cooperación en el trabajo colectivo (grupos, instituciones, comunidades y redes)”. Sistemas Familiares. 25 (2).

Fuks, S. (2004). Craftsmanship of contexts: an yet unfinished story of my connection with CMM. In B. Pearce & J. Kearney. Human Systems. Special Edition: CMM Extensions and Applications, vol. 15 KCC (eds.), Londres, Guest, Issues 1-3

__________.(1993). Entrevista com Saúl Fuks. Entrevista realizada por R. Rapizo. Ituy, Rio de Janeiro: Noos.

Geertz, C. (2001). Saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa, Petrópolis: Vozes.

Gergen, K. (2010). Construcionismo social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Noos.

Harré, R. (2004). Positioning theory. Recuperado de http://www.massey.ac.nz/~alock/virtual/positioning.doc.

Herrigel, E. (1987). A arte cavalheiresca do arqueiro zen. São Paulo: Pensamento.

Ibáñez, T. (2004). O giro linguístico. In: L. Iñiguez, (coord.). Manual de análise do discurso em ciências sociais. Petrópolis: Vozes.

Keeney, B. (1987). La estetica del cambio. Buenos Aires: Paidos

Myerhoff, B. (1986). Life not death in Venice: its second life. In V. Turner & E. Bruner (eds.). The anthropology of experience. Chicago: University of Illinois Press.

Pakman, M. (1995). Investigación e intervención en grupos familiares: una perspectiva constructivista.In J.M. Delgado & J. Gutierrez (coords.). Métodos y técnicas cualitativas de investigación em ciencias sociales. Madri: Síntesis.

Payne, M. (2002). Terapia narrativa: una introducción para profesionales. Buenos Aires: Paidos.

Rasera, E. & Japur, M. (2007). Grupo como construção social: aproximações entre construcionismo social e terapia de grupo. São Paulo: Vetor.

Roth, S. & Epston, D. (1996). Developing externalizing conversations: an exercise. Journal of Systemic Therapies, 15(1), 5-12.

Schön, D. (2000). Educando o profissional reflexivo. Porto Alegre: Artes Médicas.

White, M. (1986). Negative explanation, restraint and double description: a template for family therapy. Family Process, 25(2).

________.(1988). The process of questioning: A therapy of literary merit. Dulwich Centre Newsletter, Winter, 8-14.

White, M. & Epston, D. (1992). Experience, Contradiction, Narrative & Imagination. Australia: Dulwich Centre Publications.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.