REVISANDO INTERVENÇÕES NARRATIVAS: FERRAMENTAS PARA O CONTEXTO TERAPÊUTICO

Camila Roberta Lahm-Vieira, Mariana Gonçalves Boeckel, Paula Grazziotin Rava

Resumo


A terapia narrativa figura como integrante das recentes propostas terapêuticas desenvolvidas no âmbito da terapia familiar e é, também, aplicada no contexto clínico individual. Este artigo propõe uma breve reflexão teórica centrada nos principais fundamentos e na caracterização das técnicas e objetivos terapêuticos propostos por duas abordagens narrativas: de White e Epston, e de Gonçalves. Através da compreensão dos elementos presentes na atuação do(a) psicoterapeuta e de que forma conferem sustentação teórica a determinadas práticas psicoterápicas, este artigo analisa as propostas das terapias narrativas.


Palavras-chave


Psicoterapia, Terapias Narrativas, Construcionismo Social, Construtivismo

Texto completo:

DOC PDF

Referências


DINIZ, C. F. N.; ROMAGNOLI, R. C. As narrativas do jovem e sua família: articulando a terapia familiar sistêmica à orientação profissional. Pensando Famílias. Porto Alegre, v. 12, n. 2, 73-91, dez, 2008.

MORGAN, A. O que é terapia narrativa? Uma introdução de fácil leitura. Porto Alegre: Centro de Estudos e Práticas Narrativas, 2007.

RAMOS, R. Narrativas contadas, narraciones vividas – Un enfoque sistêmico de la terapia narrativa. Barcelona: Paidós, 2001.

BARBETTA, P. O conflito das interpretações em Psicoterapia – uma perspectiva etnográfica. Terapia de Casal e Dissolução de Conflito. Pensando Famílias. Ano 7, n. 9, nov. 91-108, 2005.

MCNAMEE, S.; GERGEN, K. J. La terapia como construcción social. Barcelona: Paidós, 1996.

RASERA, E. F.; JAPUR, M. Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estud. Psico., v. 9, n. 3, 431-439, 2004.

WHITE, M.; EPSTON, D. Medios narrativos para fines terapêuticos. Barcelona: Ediciones Paidós, 1993.

GONÇALVES, O. F. Psicoterapia Cognitiva Narrativa – Manual de Terapia Breve. Editorial Psy, 1998.

NICHOLS, M. P.; SCHWARTZ, R. C. Terapia Familiar: conceitos e métodos. 7ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

WHITE, M. Maps of narrative practice. New York: W. W. Norton & Company, 2007.

GRANDESSO, M. Quem é a dona da história? In: CRUZ, H. M.; MOREIRA, B. F. Papai, mamãe, você ... e eu?: conversações terapêuticas em famílias com crianças. Porto Alegre: Casa do Psicólogo, 2000 (b).

CARRIJO, R. S.; RASERA, E. F. Mudança em psicoterapia de grupo: reflexões a partir da terapia narrativa. Psicol. clin., Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, Jun. 2010 .

GRANDESSO, M. “Dizendo olá novamente”: A presença de Michael White entre nós terapeutas familiares. Revista Brasileira de Terapia Familiar. v.1, n.1, jan/junh, 2008 (c).

HENRIQUES, M.; PÉREZ, A.; PRIETO, M.; LIMA, M.R.; GONÇALVES, O.F. Funcionamento Cognitivo e Produção Narrativa no Síndrome de Williams: Congruência ou Dissociação Neurocognitiva? International journal of clinical and health psychology. V.4, N.3, 623-638, 2004.

Disponível em: http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=990216

HOLZMANN, M. E. Jogar é preciso: jogos espontâneo-criativos para famílias e grupos. Porto Alegre: Artmed, 1998.

WHITE, M. Prática Narrativa, Terapia de Casal e Dissolução de Conflito. Pensando Famílias. Ano 7, n. 9, nov., 11-48, 2005.

MOLINA-LOZA, C. A. Eu não sabia...mas Clio me contou. Narrativas Terapêuticas II. Belo Horizonte: Artesã, 2000.

MACHADO, M. R. C. Narrativa de mulheres vítimas de violência: passos do processo. Psicol. teor. prat., jun., v.6, n.1, 97-104, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.