A metodologia de atendimento sistêmico de famílias e redes sociais no Centro de Referência de Assistência Social: uma proposta teórica e prática

Rodrigo Tavares Mendonça

Resumo


Esta pesquisa tem a intenção de compreender se a Metodologia de Atendimento Sistêmico de Famílias e Redes Sociais, criada por Juliana Gontijo Aun, Maria José Esteves de Vasconcellos e Sônia Vieira Coelho, pode ser utilizada para alcançar os objetivos do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). O método de pesquisa utilizado, exploratório e bibliográfico, proporciona a aproximação conceitual da Metodologia de Atendimento Sistêmico com a organização e a estrutura, os princípios, os objetivos e as diretrizes do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). O Atendimento Sistêmico, distinguido como uma rede de conversações transformadoras em torno de uma situação-problema, tem o objetivo de criar um contexto de autonomia que possibilite aos elementos do sistema desenvolverem formas de se relacionar que não incluam os antagonismos, para que essas relações se transformem em relações colaborativas. Assim, os resultados mostram que essa metodologia pode ser utilizada para alcançar os objetivos do CRAS.


Palavras-chave


Centro de Referência de Assistência Social. Metodologia de Atendimento Sistêmico. Rede social.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, G. R.B., Farias, L. O., & Vaitsman, J. (2009). Proteção social no Brasil: O que mudou na assistência social após a Constituição de 1988. Ciência & Saúde Coletiva, 14(3), 731-741.

Aun, J. G., Vasconcellos, M. J. E., & Coelho, S. V. (2005, 2007, 2010). Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais: Vol. I Fundamentos teóricos e epistemológicos (2005). Vol. II Tomos I e II O processo de atendimento sistêmico (2007). Vol. III Desenvolvendo práticas com a metodologia de atendimento sistêmico (2010). Belo Horizonte: Ophicina de Arte & Prosa.

Aun, J. G. (2005). Psicoterapia/terapia de família/atendimento sistêmico à família: propondo uma diferenciação. In: Aun, J. G., Esteves de Vasconcellos, M. J., & Coelho, S. V.. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais: Vol. I Fundamentos teóricos e epistemológicos. Belo Horizonte: Ophicina de Arte & Prosa.

Aun, J. G. (2007). O processo de atendimento sistêmico: passos para sua realização. In: Aun, J. G., Esteves de Vasconcellos, M. J., & Coelho, S. V.. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais: Vol. II Tomo I O processo de atendimento sistêmico. Belo Horizonte: Ophicina de Arte & Prosa.

Constituição da República Federativa do Brasil (2013). Brasília: Senado.

Drummond, J. C. (2006). Construção de um projeto de pesquisa. Belo Horizonte: PUC Minas Virtual.

Esteves de Vasconcellos, M. J. (2002). Pensamento sistêmico: O novo paradigma da ciência. 5a ed. Campinas: Papirus.

Esteves de Vasconcellos, M. J. (2010a). Distinguindo a metodologia de atendimento sistêmico como uma prática novo-paradigmática, desenvolvida com um “sistema determinado pelo problema”. In: Aun, J. G., Esteves de Vasconcellos, M. J., & Coelho, S. V.. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais: Vol. III Desenvolvendo práticas com a metodologia de atendimento sistêmico. Belo Horizonte: Ophicina de Arte & Prosa.

Esteves de Vasconcellos, M. J. (2010b). Coordenando os encontros conversacionais do “sistema determinado pelo problema”, a partir da concepção teórica de “processo de rede”. In: Aun, J. G., Esteves de Vasconcellos, M. J., & Coelho, S. V.. Atendimento sistêmico de famílias e redes sociais: Vol. III Desenvolvendo práticas com a metodologia de atendimento sistêmico. Belo Horizonte: Ophicina de Arte & Prosa.

Lei Orgânica de Assistência Social anotada (2009b). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Macedo, J. P., Sousa, A. P., Carvalho, D. M., Magalhães, M. A., Sousa, F. M. S., & Dimenstein, M. (2011). O psicólogo brasileiro no SUAS: Quantos somos e onde estamos? Psicologia em Estudo, 16(3), 479-489.

Motta, R. F., & Scarparo, H. B. K. (2013). A psicologia na assistência social: Transitar, travessia. Psicologia & Sociedade, 25(1), 230-239.

Muschioni, M. O. M., & Amaral, S. C. S. (2011). Atendimento sistêmico a famílias de pessoas com deficiência e a sua rede social em um Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). In: VII Congresso Brasileiro de Sistemas. São Paulo: Centro Universitário de Franca.

Muschioni, M. O. M., & Amaral, S. C. S. (2013). Atendimento sistêmico em políticas públicas. In: IX Congresso Brasileiro de Sistemas. Palmas: Universidade de Tocantins.

Nichols, M., & Schwartz, R. (2007). Terapia familiar: Conceitos e métodos (M. A. V. Veronese, Trad.). 7a ed. Porto Alegre: Artmed.

Orientações técnicas da proteção social básica do Sistema Único de Assistência Social – Centro de Referência de Assistência Social (2009c). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Orientações técnicas sobre o PAIF (2012) (Vol. 2). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Política Nacional de Assistência Social – Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social (2005). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (2009a). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Yamamoto, O. H., & Oliveira, I. F. (2010). Política social e psicologia: Uma trajetória de 25 anos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26 (número especial), 9-24.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.