Performance e identidade: apontamentos para uma apreciação estético-relacional do desenvolvimento

  • Murilo dos Santos Moscheta Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: pós-modernidade, identidade, desenvolvimento, performance, psicologia

Resumo

A Psicologia, enquanto projeto científico que emerge na modernidade, produziu um conjunto de teorias sobre desenvolvimento que valorizaram a ideia de indivíduo e identidade. Neste texto, discuto algumas possibilidades de considerar a identidade a partir da contribuição de autores pós-modernos. Para isso, retomo as contribuições de Lois Holzman que articula a teoria da atividade de Lev Vygotsky e a dialética marxista na construção de um modelo de desenvolvimento que rompe com a noção de um sujeito que evolui a partir e ao redor de uma identidade. A proposta pós-moderna de compreensão do desenvolvimento transgride a separação ciência/arte, e assume o caráter performático da identidade. Neste sentido, o texto busca refletir sobre algumas possibilidades de pensar o desenvolvimento por um viés estético articulando-o com as noções de criação, processo e improvisação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Murilo dos Santos Moscheta, Universidade Estadual de Maringá
Professor adjunto do departamento de psicologia da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z. (2008). Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Beiras, A. (2008). Família, Conjugalidade e Utopias: Reflexões sobre um Mundo Hipermoderno. Nova Perspectiva Sistêmica, 32, 65–72.

Camargo-Borges, C. (2011). Terapia Social: Desenvolvimento Humano e Mudança Social. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(3), 48-58.

Gergen, K. (1991). The saturated self?: dilemmas of identity in contemporary life. New York: Basic Books.

Goldberg, P., & Newman, F. (1996). Performance of a Lifetime: A Practical-Philosophical Guide to the Joyous Life (1st ed.). New York: Castillo International.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade (11th ed.). São Paulo: DP&A.

Holzman, L. (2006). Activating postmodernism. Theory & Psychology, 16(1), 109–123.

Holzman, L. (2009). Vygotsky at work and play. New York: Routledge.

Holzman, L. (Ed.). (1999). Performing Psychology: A Postmodern Culture of the Mind. New York: Routledge.

Holzman, L., & Mendez, R. (Eds.). (2003). Psychological Investigations: A Clinician’s Guide to Social Therapy (1st ed.). New York: Routledge.

Law, J. (2004). After Method: Mess in Social Science Research. New York: Routledge.

Meireles, C. (2002). Os Melhores Poemas de Cecília Meireles. São Paulo: Global.

Mota, M. E. (2005). Psicologia do Desenvolvimento: uma perspectiva histórica. Temas em Psicologia, 13(2), 105–111.

Rosa, J. G. (2001). Grande sertão?: veredas (20th ed.). Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

Publicado
2012-12-20
Como Citar
Moscheta, M. dos S. (2012). Performance e identidade: apontamentos para uma apreciação estético-relacional do desenvolvimento. Nova Perspectiva Sistêmica, 21(44), 9-21. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/1
Seção
Artigos