Supervisão em mediação: uma abordagem sistêmica de apresentação de caso

  • Suzana Wayand Dias
  • Cecília Pereira de Almeida Assumpção
  • Helena Gurfinkel Mandelbaum
Palavras-chave: Apresentação de Caso em Mediação, construcionismo social, Teoria U

Resumo

O artigo apresenta um modelo de supervisão para apresentação de casos em mediação a partir dos aportes do construcionismo social e o processo U. Este método foi criado, primeiramente, para o contexto do Setor de Mediação do Fórum de Santana. O novo método contribuiu sobremaneira para a capacidade de reflexão e da ampliação do repertório do mediador e, mais especificamente, da sua percepção em relação ao sistema mediador-mediando e comediação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Wayand Dias
Professora doutora em administração pela ESPM, supervisora de mediação do CEAF e mediadora
Cecília Pereira de Almeida Assumpção
Educadora, diretora pedagógica da Escola ALFA, facilitadora e capacitadora de práticas restaurativas e mediadora
Helena Gurfinkel Mandelbaum
Advogada, docente, facilitadora de diálogos e coordenadora do Programa de mediação do CEAF, mediadora

Referências

Andersen, T. (2002). Processos Reflexivos (2o ed.). Rio de janeiro: Noos.

Checkland, P., & Scholes, J. (2005). Soft Systems Methodology in Action. Chichester - England: John Wiley.

Gazda, G. M. (1968). Basic approach to group psychotherapy and group counseling. Springfield, Illinois: Charles C Thomas.

Gergen, K. J., & Gergen, M. (2010). Construcinismo Social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Intituto Noos.

Hammond, J. S. (2002). Aprendizado pelo Método de Casos. Boston.

Hassan, Z. (2006). Connecting to the Source: the U Process. The Systems Thinker, 17(7), 2–7.

Jaworski, J. (2014). Sincronicidade: o caminho interior da liderança (2o ed.). São Paulo: Senac São Paulo.

Kahane, A. (2008). Como resolver problemas complexos: uma forma aberta de falar, escutar e criar novas realidades. São Paulo: Senac São Paulo.

Monk, G., & Winslade, J. (2013). When stories clash: addressing conflict with narrative mediation (e-book.). Chagrin Falls: Taos Institute.

Patterson, C. H. (1973). The theory of counseling and psychotherapy (2nd editio.). New York: Harper & Row.

Patterson, L. E., & Eisenberg, S. (1988). O processo de aconselhamento (1a ed.). São Paulo: Livraria Martins Fontes editora.

Scharmer, C. O. (2010). Teoria U. Rio de Janeiro: Elsevier.

Senge, P. M. (1999). A dança das mudanças: os desafios de manter o crescimento e o sucesso em organizaçoes que aprendem. Rio de Janeiro: Campus.

Senge, P., Scharmer, C. O., Jaworski, J., & Flowers, B. S. (2007). Presença. São Paulo: Pensamento-Cultrix.

Spotnitz, H. (1963). Group Counseling Methods. In Handbook of Counseling Techniques. New York: The MacMillan Company.

Valença, A. C. (2011). Aprendizagem Organizacional: 123 aplicações práticas de arquétipos sistêmicos. São Paulo: Senac São Paulo.

Como Citar
Dias, S. W., Assumpção, C. P. de A., & Mandelbaum, H. G. (1). Supervisão em mediação: uma abordagem sistêmica de apresentação de caso. Nova Perspectiva Sistêmica, 24(53), 66-81. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/147
Seção
Artigos