Momento reflexão: proposta de intervenção em psicologia educacional

  • Carolina Duarte de Souza
  • Juliana Macchiaverni
  • Ana Paula Benatti
  • Maria Aparecida Crepaldi
Palavras-chave: Psicologia Educacional, Psicologia Escolar, Teoria Sistêmica, Construcionismo Social

Resumo

Este artigo descreve um método de trabalho em psicologia educacional embasado na teoria sistêmica e no construcionismo social. O Momento Reflexão (MR) é uma proposta interdisciplinar de intervenção em problemas do contexto escolar, que consiste em reuniões periódicas entre a professora e a equipe técnica. A partir das demandas emergentes no MR todos colaboram para construir estratégias de ação e planejar as intervenções mais adequadas para cada situação. Essas podem ser: conversações de dissolução do Sistema Determinado pelo Problema, intervenções mediadas, atendimento interdisciplinar com a família, observação em sala de aula, intervenção direta, encaminhamento para avaliação de outros especialistas. Por fim, todas as intervenções supracitadas têm como meta trabalhar as relações estabelecidas no contexto escolar. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Duarte de Souza
Graduada e Mestra em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, com especialização em Terapia Relacional Sistêmica pelo Familiare Instituto Sistêmico. Tem experiência em Psicologia Clínica e Educacional. Atualmente é bolsista de doutorado do Programa de Pós-Graduação da UFSC, Florianópolis, Brasil.
Juliana Macchiaverni
Psicóloga Graduada pela Universidade Federal de Santa Catarina, com Residência Integrada Multiprossional em Saúde, Mestra pelo "Programa de Pós Graduação Multidisciplinar em Saúde da Universidade Federal de Santa Catarina", Florianópolis, Brasil
Ana Paula Benatti
Psicóloga Graduada pela Faculdade Três de Maio - SETREM.
Maria Aparecida Crepaldi
Professora Pós-Dra. de Psicologia da Graduação e Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. Título de especialista em Psicologia Clínica e Psicologia Hospitalar (CFP), Mestrado em Psicologia Clínica pela PUC-RJ, Doutorado em Saúde Mental pela UNICAMP, com estágio Sandwich na Universidade de Paris (Paris VI). Tem experiência na área de Psicologia da Saúde e Psicologia da Família. Florianópolis, Brasil

Referências

Andersen, T. (1998). Reflexões sobre a Reflexão com as famílias. In: S. McNamee, & K. J. Gergen. A Terapia como Construção Social. Porto Alegre: Artes Médicas.

Andersen, T. (2002). Processos Reflexivos. Rio de Janeiro: Instituto NOOS: ITF.

Anderson, H. (2009). Terapia Colaborativa: Relacionamentos e Conversações. Nova Perspectiva Sistêmica, 33, 37-52.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1998). O cliente é o especialista: abordagem terapêutica do não-saber. In: S. McNamee, & K. J. Gergen. A Terapia como Construção Social. Porto Alegre: Artes Médicas.

Andrada, E. G. C. (2005). Novos paradigmas na prática do psicólogo escolar. Psicologia: reflexão e crítica, 18(2),196-199.

Barros, L. P. C. de P. R. & Rasera, E. F. (2012). O uso das cartas terapêuticas na prática clínica. Psicologia Clínica, 24, 193 -207.

Beaudoin, M-N. & Taylor, M. (2006). Bullying e Desrespeito. Porto Alegre: Artmed.

Coimbra, C. (1990). A divisão social do trabalho e os especialismos técnico-científicos. Revista do departamento de psicologia da UFF, 2(2),10-16.

Conselho Federal de Psicologia (2007). Resolução CFP Nº 013/2007. Recuperado em 27 junho 2009, de http://www.sbph.org.br/resolucao2007_13.pdf

Curonici, C., & McCulloch, P. (1999). Psicólogos e professores: um ponto de vista sistêmico sobre as dificuldades escolares. São Paulo: EDUSC.

Duque, D. F., Souza, C. D. de, & Cromack, E. M. P. da C. (2009). Ciranda: um olhar diferenciado sobre a escola. Pensando Famílias, 13(2), 163-183.

Garcia, A. (2007). Em buscas das escolas na escola: por uma epistemologia das “balas sem papel”. Educação e Sociedade, 28(98), 129-147.

Gergen, K. J. (2009). Construção Social e Comunicação Terapêutica. Nova Perspectiva Sistêmica, 33, 9-36.

Goolishian, H. A. & Winderman, L. (1989). Contructivismo, autopoieses y sistemas determinados por problemas. Sistemas Familiares, 5(3), 19-29.

Oliveira, I.B. (2007). Aprendendo nos/dos/com os cotidianos a ver/ler/ouvir/sentir o mundo. Educação e Socedade, 28(98), 47-72.

Rezende, P. C. M., Oliveira, L. G., & Gomes, L. R. S. (2013). Cartas Reflexivas: um recurso intervenção em psicologia educacional. Psicologia da Educação, 37(2), 43-50.

Schnitman, D. F. (2011). Processo generativo e práticas dialógicas. Nova Perspectiva Sistêmica, 41, 9-34.

Vasconcelos, E. M. (2000). Serviço Social e Interdisciplinaridade: o exemplo da saúde mental. In: E. M Vasconcelos (org.) Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade (pp. 35- 67). São Paulo: Cortez.

Vasconcellos, M. J. E. (2002) Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Papirus.

White, M. & Epston, D. (1993) Medios narrativos para fines terapéuticos. Barcelona: Paidós.

White, M. (2012). Mapas da prática narrativa. Porto Alegre: Pacartes.

Zanella, A. V. (2003). Reflexões sobre a atuação do(a) psicólogo(a) em contextos de escolarização formal. Psicologia ciência e profissão, 23(3), 68-75.

Zanella, A. V. (2006). Pode até ser flor se flor parece a quem o diga: reflexões sobre Educação Estética e o processo de constituição do sujeito. In S. Z. D. Ros, K. Maheirie & A. V. Zanella (Eds.), Relações estéticas, atividade criadora e imaginação: Sujeitos e (em) experiência (pp. 33-47). Florianópolis, SC: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina.

Como Citar
de Souza, C. D., Macchiaverni, J., Benatti, A. P., & Crepaldi, M. A. (1). Momento reflexão: proposta de intervenção em psicologia educacional. Nova Perspectiva Sistêmica, 24(51), 37-52. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/173
Seção
Artigos