Mitos e Legados da Cultura Germânica: A Saga das Construções Transgeracionais

  • Camila Lahm-Vieira
Palavras-chave: Transgeracionalidade. Abordagem Sistêmica. Cultura familiar.

Resumo

Este relato de experiência reúne citações de mulheres de descendência germânica, em psicoterapia de abordagem sistêmica, objetivando refletir sobre os aspectos históricos e culturais, assim como seus impactos na subjetividade. Dessa forma, identificaram-se mitos que influenciaram suas histórias: o Mito da Conquista e da Propriedade, configurados pelos interesses voltados para a terra, com fins de conservação e manutenção do poder; Mito da União bastante relacionado ao Mito do Cuidado, onde a estrutura de lealdade da família preconiza aproximação, enfrentando a vida e suas dificuldades com união, ajuda e cuidado. Os Mitos relacionados à retidão de caráter, pautando a vida na honestidade e no empenho profissional são elementos também identificados nas narrativas das pacientes, assim como as relações de gênero, visto que as mulheres aferiram desconforto ao experimentar papeis entremeados por funções tradicionalmente vinculadas aos homens. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andolfi, M. (2002). A crise do casal: uma perspectiva sistêmico-relacional. Porto Alegre: Artmed Editora.

Araújo, C.; Scalon, M. C. (2005). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: GV Editora.

Azambuja, C.; Sestren, S. V. (2004) Cultura alemã e gênero: questões psicossociais envolvidas na construção de gênero feminino em Blumenau. 2004. 71f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Psicologia) - Universidade Regional de Blumenau. Blumenau. Disponível em: Acesso em: 20 abr. 2010.

Campezatto, P. V. M.; Nunes, M. L. T. (2007). Caracterização da clientela das clínicas-escola de cursos de Psicologia da região metropolitana de Porto Alegre. Psicologia, Reflexão e Crítica, 20 (3), 376-388.

DeBiaggi, S. D. D.; Martes, A. C. B; Paiva, G. J. (2004). Psicologia, imigração e cultura. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Di Nicola, V. (1998). Um estranho na família: cultura, famílias e terapia. Porto Alegre: Artmed.

Diniz, C. F. N.; Romagnoli, R. C. (2008). As narrativas do jovem e sua família: articulando a terapia familiar sistêmica à orientação profissional. Revista Pensando Famílias, 12 (2), 73-91.

Engelmann, E. (2007a) A Saga dos Alemães I - Do Hunsrück para Santa Maria do Mundo Novo.

Engelmann, E. (2007b) A Saga dos Alemães III - Do Hunsrück para Santa Maria do Mundo Novo.

Falcke, D.; Wagner, A (2005). A Dinâmica Familiar e o Fenômeno da Transgeracionalidade: definição de conceitos. In: A. Wagner (Org.) Como se Perpetua a Família? A Transmissão dos Modelos Familiares (pp. 25-45). Porto Alegre: Edipucrs.

Gabel, C. L. M.(2002). Mitos familiares e escolha profissional: um estudo junto aos estudantes do curso de Psicologia da Universidade Regional de Blumenau com descendência germânica. 2002. 112f. Dissertação (Pós-Graduação em Psicologia) - Curso de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

Groisman, M. (2006a). Família Trama e Terapia: a responsabilidade repartida. Rio de Janeiro: Núcleo Pesquisas.

______. (2006b). Família é Deus: descubra como a família define quem você é. Rio de Janeiro: Núcleo Pesquisas.

Grybovski, D. (2007). Colonização e Empreendedorismo: Uma Análise Histórico-Social da Região Colonial no Rio Grande do Sul e sua Importância no Estudo das Empresas Familiares Industriais [Resumo]. Caderno de Resumos do II Seminário de História Regional: Imigração, colonização e movimentos sociais, Editora UPF, 34.

Guedes, C. R. (2006). A supervisão de estágio em psicologia hospitalar no curso de graduação: relato de uma experiência. Psicologia, Ciência e Profissão, 26(3), 516-523.

Henriques, M. I. G.; Gomes, I. C. (2005). Mito familiar e transmissão psíquica: uma reflexão temática de forma lúdica. Psychê, 9(16), 183-196.

Hillebrand, M. (2006). Cantos tradicionais: uma leitura da cultura germânica. 101f. (Dissertação Parcial para o Título de Mestre) – Programa de Mestrado em Letras e Cultura Regional – Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul. Disponível em: <http://tede.ucs.br/tde_arquivos/1/TDE-2006-10-17T144824Z-46/Publico/dissertacao%20Marcia%20Hillebrand.pdf> Acesso em: 05 mai. 2010.

Krom, M. (2000). Família e Mitos - Prevenção e terapia: resgatando histórias. São Paulo: Summus Editorial.

Kruger, L. L.; Werlang, B. S. G. (2008). O genograma como recurso no espaço conversacional terapêutico. Aval. psicol., 7(3), 415-426.

Linares, J. L. (2008). A Personalidade e Seus Transtornos Sob uma Perspectiva Sistêmica. Revista Pensando Famílias, 12(2), 27-46.

Lisboa, A. V.; Féres-Carneiro, T. (2005). Quando o adoecimento assombra e une o grupo familiar. Revista de Psicanálise, 18(184), 40-48.

Nadalin, S. O. (2007). Reconstituir famílias e demarcar diferenças: virtualidades da metodologia para o estudo de grupos étnicos. Rev. Bras. Estud. Popul, 24(1), 5-18.

Neto, O. D.; Feres-Carneiro, T. (2005). Psicoterapia de casal na pós-modernidade: rupturas e possibilidades. Estudos de Psicologia, 22(2), 133-141.

Piva, A. (2008). A Fragilidade do Símbolo e a Transmissão Transgeracional. Revista Contemporânea – psicanálise e transdisciplinaridade, 7, 74-85.

Scott, J. W. (1995). “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação & Realidade. Porto Alegre, 20(2), 71-99.

Sarriera, J. C.; Pizzinato, A.; Meneses, M. P. R. (2005). Aspectos psicossociais da imigração familiar na Grande Porto Alegre. Estudos de Psicologia, 10(1), 5-13.

Seyferth, G. (2004). A idéia de cultura teuto-brasileira: literatura, identidade e os significados da etnicidade. Horiz. antropol., 10(22), 149-197.

Schneider, S. (2004). O mercado de trabalho da indústria coureiro-calçadista do Rio Grande do Sul: formação histórica e desenvolvimento. In: Costa, A. B.; Passos, M. C. (Org.). Indústria de calçados no Rio Grande do Sul (pp.25-49). São Leopoldo: Editora Unisinos.

Sluzki, C.E. (2006) A rede social na prática sistêmica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Strey, M. N. (2007). Família e sociedade. In: Strey, M. N., Neto, J. A. S., Horta, R. L. (org.) Família e Gênero (pp.17-38). Porto Alegre: Edipucrs.

Telfner, U. (2007). O trabalho com imigrantes na Itália: da psicoterapia à clínica intercultural. Pensando Famílias, 11(2), 123-140.

Tomm, K. (1988). Interventive interviewing’s Part III. Intending to ask circular, strategic, or reflexive questions? Family Process, 27(1), 1-15.

Zordan, E. P.; Falcke, D.; Wagner, A (2005). Copiar ou (re)criar? Perspectivas histórico-contextuais do casamento. In: WAGNER, A. (Org.) Como se Perpetua a Família? A Transmissão dos Modelos Familiares (pp.47-65). Porto Alegre: Edipucrs.

Como Citar
Lahm-Vieira, C. (1). Mitos e Legados da Cultura Germânica: A Saga das Construções Transgeracionais. Nova Perspectiva Sistêmica, 21(42), 73-91. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/224
Seção
Artigos