Diálogos entre o discurso construcionista social e a terapia social

  • Ana Flávia Manfrim Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.
  • Emerson Rasera Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil
Palavras-chave: construcionismo social, terapia social, psicoterapia, mudança social

Resumo

Interessado na ampliação dos diálogos entre o construcionismo social e as diversas propostas terapêuticas orientadas pelo discurso pós-moderno, o presente ensaio teve como objetivo refletir sobre as aproximações e distanciamentos entre o discurso construcionista social e a terapia social. A partir das propostas construcionistas no que se refere à postura e às práticas terapêuticas, foi realizada uma análise crítica e comparativa de obras da terapia social. Destacamos como pontos de aproximação: a orientação colaborativa, a relevância de valores, a ênfase relacional e o foco na ação. Por outro lado, percebemos tensões no que se refere à flexibilidade de perspectivas e à ênfase discursiva. Concluímos que os distanciamentos analisados podem funcionar como convites à reflexão e ao desenvolvimento teórico do construcionismo e da terapia social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Flávia Manfrim, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.
Graduação em Psicologia, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.
Emerson Rasera, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil
Doutor em Psicologia, professor da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil

Referências

Camargo-Borges, C. (2011). Terapia social: desenvolvimento humano e mudança social. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62 (3), 1-114.

Gergen, K. J. (1985). The social constructionist movement in modern psychology. American Psychologist, 40 (3), 266-275.

Gergen, K. J. (1994). Realities and Relationships: Soundings in Social Constructionism. Cambridge: Harvard University Press.

Gergen, K. J. (2014). From mirroring to world-making: research as future forming. Journal for the Theory of Social Behaviour, doi: 10.1111/jtsb.12075

Gergen, K. J. & Gergen, M. (2010). Construcionismo social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Gergen, K. J. & Gergen, M. (2012). Playing with purpose: adventures in performative social science. New York: Routledge.

Gergen, K. J. & Ness, O. (2016). Therapeutic practice as social construction. In: M. O’Reilly et al (eds). The Palgrave Handbook of Adult Mental Health. (p. 502- 519). Hampshire: Palgrave MacMillan.

Gergen, K. J. & McNamee, S. (2010). Do discurso sobre a desordem ao diálogo transformador. Nova Perspectiva Sistêmica, 38, 47-62.

Gergen, K. J. & Warhuus, L. (2001). Terapia como construção social: características, reflexões e evoluções. In: M.M. Gonçalves & O.F. Gonçalves (orgs). Psicoterapia, discurso e narrativa: a construção conversacional da mudança (pp. 27-64). Coimbra: Quarteto.

Grandesso, M. (2000). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Holzman, L. (Org.) (1999). Performing psychology: a postmodern culture of the mind. New York: Routledge.

Holzman, L (1999). Life as performance (Can you practice psychology if there's nothing that's "really" going on?). In: L. Holzman (1999). Performing psychology: a postmodern culture of the mind (pp. 49-71). New York: Routledge.

Holzman, L. (2006) Activating postmodernism. Theory & Psychology, 16 (1), 109-123.

Holzman, L. (2014) Social therapy: draft of entries in the forthcoming encyclopedia of critical psychology. Available on: http://eastsideinstitute.org/wp-content/uploads/2014/05/ECP.pdf. Access in: 05/04/2015, 21:57.

Holzman, L. & Mendez, R. (2003). Psychological investigations: a clinician's guide to social therapy. New York: Brunner-Routledge.

Holzman, L. & Newman, F. (1988). History as an anti-paradigm - Work in progress toward a new developmental and clinical Psychology. In: L. Holzman, & L. Polk, (1988). History is the cure: A social therapy reader (pp. 55-67). New York: Practice Press.

Holzman, L. & Newman, F. (2012). Activity and performance (and their discourses) in social therapeutic method (p.184-195). In: T. Strong, & A. Lock (2012). Discursive perspectives in therapeutic practice. Oxford: University Press.

Holzman, L. & Polk, H. (1988). History is the cure: a social therapy reader. New York: Practice Press.

Martins, P. P. S., Santos, C. P. & Rasera, E. F. (2013). A terapia focada na solução e suas aproximações ao discurso construcionista social. Estudos de Psicologia, 30 (1), p. 111-120.

McNamee, S. & Gergen, K. J. (1998). Introdução. In: S. McNamee, & K. J. Gergen (orgs.). A terapia como construção social (pp. 117-139). Porto Alegre: Artes Médicas.

Moscheta, M. S. (2012). Performance e Identidade: Apontamentos para uma apreciação estético-relacional do desenvolvimento. Nova Perspectiva Sistêmica, 44, 9-20.

Newman, F. & Holzman, L. (1996). Unscientific Psychology: a cultural-performatory approach to understanding human life. Lincoln: iUniverse.

Newman, F. & Gergen, K. (1999). Diagnosis: the human cost of the rage to order. In: L. Holzman.(1999). Performing psychology: a postmodern culture of the mind (pp. 73-86). New York: Routledge.

Peruzzo Jr., L. (2011). O conceito de lebensform (formas de vida) na filosofia de Wittgenstein. Ítaca, 17, 73-85.

Rasera, E. F. & Guanaes, C. (2006). O terapeuta como produtor de conhecimentos: contribuições da perspectiva construcionista social. Nova Perspectiva Sistêmica, 26, 76-85.

Rasera, E. F. & Japur, M. (2004). Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estudos de Psicologia, 9(3), 431-439.

Rasera, E. F. & Japur, M. (2007). Grupo como construção social: aproximações entre construcionismo social e terapia de grupo. São Paulo: Vetor.

Souza, L. V. (2014). Discurso construcionista social: uma apresentação possível. In: C. Guanaes-Lorenzi, M. S Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (orgs): Construcionismo social: discurso, prática e produção de conhecimento (p. 49-72). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Como Citar
Manfrim, A. F., & Rasera, E. (1). Diálogos entre o discurso construcionista social e a terapia social. Nova Perspectiva Sistêmica, 25(56), 34-48. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/239
Seção
Artigos