O fazer e o estar em terapia dialógica colaborativa

  • Bruno Lenzi Terapeuta dialógico. Coordenador no Instituto Movimento.
Palavras-chave: construcionismo social, terapia colaborativa, diálogo, processos mutualmente transformadores

Resumo

Este artigo traz as transformações
experimentadas ao longo de um processo terapêutico
com um jovem de 20 anos. Desde o
começo da terapia nossa relação se caracterizou
como colaborativa. Ao longo de dois anos de
atendimentos pudemos experimentar o diálogo,
o conhecimento e a criatividade em nosso engajamento
mútuo na situação vivida pelo cliente.
Desenvolvemos juntos uma terapia feita sob medida às suas necessidades, que visava suas potencialidades rumo às transformações desejadas
por ele e seus próximos. Compartilho também as
transformações vividas por mim e que me acompanham em todas as relações em que me engajo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Lenzi, Terapeuta dialógico. Coordenador no Instituto Movimento.
Terapeuta dialógico.
Coordenador no Instituto
Movimento.
Como Citar
Lenzi, B. (1). O fazer e o estar em terapia dialógica colaborativa. Nova Perspectiva Sistêmica, 26(57), 37-52. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/276
Seção
Artigos