TERAPIA FAMILIAR COM CRIANÇAS: A IMPORTÂNCIA DA INTERLOCUÇÃO TEÓRICO-PRÁTICA PARA A SUPERAÇÃO DOS DESAFIOS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DO TERAPEUTA

  • FRANCIELI THOLL
  • ADRIANO BEIRAS
Palavras-chave: terapia familiar sistêmica, família com criança pequena, conexão, supervisão

Resumo

A importância da presença da criança na Terapia Familiar Sistêmica é frequentemente encontrada na literatura. Contudo, trabalhar com elas nem sempre é tarefa fácil. Alguns estudos apontam para a dificuldade em integrar crianças e adultos ao processo terapêutico simultaneamente. Este artigo relata a dificuldade encontrada por uma coterapeuta, durante o estágio curricular obrigatório em Psicologia, em se vincular com uma família com criança pequena. Descreve as formas de enfrentamento que lhe foram oferecidas e que colaboraram na formação da mesma: o suporte emocional oferecido à estagiária, a
disponibilização de recursos técnicos e teóricos que lhe proporcionou maior segurança para atuação, e algumas mudanças no setting terapêutico. Todos esses processos possibilitaram a conexão entre a terapeuta e a família atendida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

FRANCIELI THOLL
Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
ADRIANO BEIRAS
Doutor Europeu em Psicologia Social. Professor do Departamento e do Programa de Pósgraduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina  (UFSC).
Supervisor de Estágios
em Terapia de Famílias e
Casais no SAPSI (Serviço
de Atenção Psicológica),
da UFSC.

Referências

AMANTÉA, M. L. (2004). Competências do professor do estágio curricular do curso de graduação em Enfermagem segundo a percepção dos próprios docentes. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, SP.

Andersen, T. (1998). Reflexões sobre a reflexão com as famílias. In S. Mc Nnamee&K. Gergen (Orgs.),A terapia como construção social (pp. 69-85). Porto Alegre: Artes Médicas.

Anderson, H. E &Goolishiam, H. (1988).Los sistemas humanos como sistemas linguísticos: Implicaciones para la teoria clínica y la terapia familiar. Revista de Psicoterapia, 2(6-7), 41-72.

Anderson, H. & Goolishian, H. (1998). O cliente é o especialista: a abordagem terapêutica do não-saber. In S. McNamee&K. Gergen (Orgs.), A terapia como construção social (pp. 34-50). Porto Alegre: Artes Médicas.

Andolfi, M. (2011). Como restituir a voz e a competência à criança por meio da Terapia Familiar. Nova Perspectiva Sistêmica, 20(40), 39-54.

Bertalanffy, L. Von. (2013). Teoria geral dos sistemas: fundamentos, desenvolvimento e aplicações. Petrópolis, RJ: Vozes.

Burr, V. (1996). Introducció al construccionisme social. Barcelona: Universitat Aberta de Catalunya.

Cesar, A. B. C. (2010). Que linguagem é essa? O brincar em terapia familiar.InH. M. Cruz (Ed.), Me aprende? construindo lugares seguros para crianças e seus cuidadores (pp.71-89). São Paulo: Roca.

Cruz, H. & Righetti, R. (2009). Terapia de família com crianças pequenas. In L. C. Osorio &M. E. Valle (Orgs.), Manual de Terapia Familiar (pp- 247- 262). Porto Alegre: Artmed.

Gergen, K. (1999). An invitation to social construction. London: Sage.

Gergen, K. &Gergen, M. (2010). Construcionismo social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Grandesso, M. (2000). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Grandesso, M. (2010). Terapia de família centrada na criança: a criança como parceira conversacional. In H. M. Cruz (Ed.), Me aprende? construindo lugares seguros para crianças e seus cuidadores (pp. 41-70). São Paulo: Roca.

Grandesso, M. (2011). “Dizendo olá novamente”: a presença de Michael White entre nós terapeutas familiares. Revista Nova Perspectiva Sistêmica, 20(41), 99-118. Retirado de http://www.revistanps.com.br/index.php/nps/article/view/208/189

Ibánez, T. G. (2001). Psicología social construccionista. México: Universidad de Guadalajara.

Ludewig, K. (2010). Bases teóricas de la terapia sistémica. México, DF: Herder.

Rasera, E. F. & Japur, M. (2004). Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estudos de Psicologia, 9(3), 431-439.

Rosas, E. V. (2011). Terapia de família com crianças: a mágica possível. Nova Perspectiva Sistêmica, 20(40), 55-67.

Silva, R. F. G.& Duque, D. (2009). Ah! se eu tivesse uma varinha mágica... a atividade lúdica na prática clínica de abordagem sistêmica. Trabalho de conclusão de Curso Terapia Relacional Sistêmica. Florianopolis: Familiare Instituto Sistêmico.

Vasconcellos, M. J. E. (2003). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Papirus.

White, M. (1986). Negative explanation, restraint and double description: a template for family therapy. Family Process, 25(2), 169-184.

White, M. (2012). Mapas da prática narrativa. Porto Alegre: Pacartes.

Wilson, J. (2010). A arte do brincar? Características de orientação para o profissional que trabalha com crianças e famílias. InH. M. Cruz(Ed.), Me aprende? Construindo lugares seguros para crianças e seus cuidadores (pp. 91-109). São Paulo: Roca.

Woisky, R. & Vitta, B. F. D. (2012). A construção da relação da dupla de terapeutas no atendimento de uma família. Pensando famílias, 16(1), 199-215.

Publicado
2017-09-06
Como Citar
THOLL, F., & BEIRAS, A. (2017). TERAPIA FAMILIAR COM CRIANÇAS: A IMPORTÂNCIA DA INTERLOCUÇÃO TEÓRICO-PRÁTICA PARA A SUPERAÇÃO DOS DESAFIOS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DO TERAPEUTA. Nova Perspectiva Sistêmica, 26(58), 86-97. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/301
Seção
Artigos