Práticas narrativas na condução da terapia de uma família em situação de pobreza

  • Rejane Silva Universidade Feevale
  • Marisol Seidl Unisinos
Palavras-chave: família, terapia narrativa, visita domiciliar, reautoria

Resumo

O artigo é um estudo de caso de uma família que vive em situação de pobreza e enfrenta muitos desafios para se afirmar socialmente. O objetivo da terapia foi fortalecer o sistema familiar levando em conta a história, a cultura e o contexto social do qual fazem parte, facilitando o resgate das experiências familiares que favoreçam a construção de uma história alternativa para o futuro. Para tanto, a abordagem terapêutica utilizada foi a Terapia Narrativa com a metodologia da Árvore da Vida e a visita domiciliar. O estudo comprovou a relevância da inserção do psicólogo nos contextos de vida da família, e, de sua comunidade, aumentando seu conhecimento sobre o significado das experiências vividas por eles e fortalecendo as relações de confiança. Embora a reautoria familiar tenha apenas iniciado, aspectos valiosos como os vínculos afetivos entre pais e filhos e a busca pela sobrevivência, podem incrementar o protagonismo familiar na busca de novas possibilidades de crescimento. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rejane Silva, Universidade Feevale
Graduanda do curso de psicologia da Universidade Feevale
Marisol Seidl, Unisinos
Mestre em psicologia Clínica – Unisinos. Especialista em Terapia de família e casal. Psicóloga e coordenadora do serviço de psicologia da Horta Comunitária Joanna de Ângelis

Referências

Brandão, S.N. (2001). Visita Domiciliar: Aplicando Intervenções Clinicas em Comunidade de baixa Renda. Dissertação de Mestrado Defendida na Universidade de Brasília.

Beavers, W. R.; Hampson, R. B. (1990). Successful families: Assessment and intervention. New York: Norton.

Beavers, W. R.; Hampson, R. B. (1993).Measuring family competence: The Beavers systems model. In F. WALSH (Ed).Normal family processes (2nded.). New York: Guilford Press.

Brockmeier, J.; Harré, R. (2003). Narrativa: problemas e promessas de um paradigma alternativo. Psicologia. Reflexão e Crítica, 16, 525-535.

Bruner, J. S. (1991). The narrative construction of reality. Critical Inquiry, 17, 1-

MacNamee, S.; Gergen, K. J. (1998). A terapia como construção social. Porto Alegre: Artes Médica.

Morgan, A. (2007). O Que é Terapia Narrativa? Uma Introdução de Fácil Leitura. Porto Alegre: Centro de Estudos e Práticas Narrativas.

Ncube, N. (2006). The Tree of Life Project: using narrative ideas in work with vulnerable children is Southern Africa. International Journal of Narrative Therapy and Community Work, (1), 3-16.

Russel, S.; Carey, M. (2007). Terapia Narrativa: Respondendo às suas perguntas. Porto Alegre: Centro de Estudos e Práticas Narrativas.

Sarti, C. A. (2005). A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. (3. ed) São Paulo: Cortez.

Sluzki, C. E. A. (1997). Rede Social na Prática Sistêmica – alternativas terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Walsh, F. (2005). Fortalecendo a Resiliência Familiar. São Paulo: Roca.

White, M.; Epston, D. (1990). Narrative Means to Therapeutic Ends. New York: Norton.

White, M. (2005). The international journal of narrative therapy and community Work, nº 3&4.

Publicado
2016-03-08
Como Citar
Silva, R., & Seidl, M. (2016). Práticas narrativas na condução da terapia de uma família em situação de pobreza. Nova Perspectiva Sistêmica, 22(47), 99-112. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/35
Seção
Artigos