A mudança em terapia familiar: construindo agenciamento

  • Berenice Araújo Dantas de Biagi Universidade Federal de Uberlândia, MG
  • Emerson Fernando Rasera Universidade Federal de Uberlândia, MG
Palavras-chave: terapia familiar, mudança terapêutica, produção de sentidos, agenciamento, poética social

Resumo

Este artigo visa compreender o processo de produção de sentidos sobre a mudança em terapia familiar sob a perspectiva construcionista social. A análise do processo terapêutico de uma família apontou que a construção conversacional da mudança terapêutica foi marcada pelo deslocamento do discurso inicial do problema de saúde da mãe, oriundo do trabalho, para o discurso do agenciamento com o cuidado da vida. Tal construção foi analisada em relação a três aspectos centrais: (a) a desconstrução do sentido do trabalho; (b) a redefinição da relação mãe-filha; (c) a reconstrução da vida. A análise permitiu ainda compreender um importante processo subjacente, o agenciamento como forma de promover a mudança terapêutica em terapia familiar. Concluímos que a postura aberta, ativa e engajada da terapeuta com o fluxo da conversa favoreceu a emergência desses sentidos de mudança.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n60a01

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Berenice Araújo Dantas de Biagi, Universidade Federal de Uberlândia, MG
Universidade Federal de Uberlândia, MG, Brasil. Graduação em Serviço Social, Terapeuta Familiar, Mestre em Psicologia Aplicada pela Universidade Federal de Uberlândia, docente no Poíesis - Instituto de Terapia Familiar do Triângulo.

Referências

Andersen, T. (2001). Ver y oír, ser visto y ser oído. In S. Friedman (Comp.), El nuevo lenguaje del cambio: la colaboración constructiva en psicoterapia (V. Tirotta, Trad., pp. 201-224). Barcelona: Gedisa. (Original publicado em 1993)

Anderson, H. (1996). A reflection on client-professional collaboration. Families, Systems, & Health, 14, 193-206.

Anderson, H. (2009). Conversação, linguagem e possibilidades: um enfoque pós-moderno da terapia (M. G. Armando, Trad.). São Paulo: Roca. (Original publicado em 1970)

Boczkowski, P. J. (1995). Articulaciones del construccionismo social en terapia familiar sistêmica. Sistemas Familiares, 11(2), 37-47.

Cunliffe, A. L. (2002). Social poetics as management inquiry: a dialogical approach. Journal of Management Inquiry, 11(2), 128-146.

Gergen, K. J. (1993). El movimiento del construccionismo social en la psicología moderna. Sistemas Humanos, 9(2), 9-23.

Gergen, K. J. (1996). Realidades y relaciones: aproximaciones a la construcción social. Barcelona: Paidós Ibérica

Gergen, K. J. (2007). Construcionismo social, aportes para el debate y la práctica (A. M. E. Mesa & S. D. Férrans, Trads.). Bogotá: Universidad de los Andes, Facultad de Ciencias Sociales, Departamento de Psicologia, CESO, Ediciones Uniandes).

Goolishian, H. & Anderson, H. (1996). Narrativa e self: alguns dilemas pós-modernos da psicoterapia. In D. F. Schnitman (Org.), Novos paradigmas, cultura e subjetividade (J. H. Rodrigues, Trad., pp. 191-203). Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1994).

Grandesso, M. (2000). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Grandesso, M. (2009). Desenvolvimentos em terapia familiar: das teorias às práticas e das práticas às teorias. In L. C. Osório & M. E. P. Valle (Orgs.), Manual de terapia familiar (pp.104-118). Porto Alegre: ArtMed.

Guanaes, C. (2006). A construção social da mudança em terapia de grupo: um enfoque construcionista social. São Paulo: Vetor.

McNamee, S. (1996). La construcción relacional del significado. De la cabeza al discurso. Talón de Aquiles, 4, 15-17.

McNamee, S. & Gergen, K. J. (1998). Relational responsibility: Resources for sustainable dialogue. Thousand Oaks, CA: SagePublications.

Rapizo, R. (1998). Terapia sistêmica de família: da instrução à construção. Rio de Janeiro: Instituto NOOS.

Rasera, E. F. & Guanaes, C. (2010). Momentos marcantes na construção da mudança em terapia familiar. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(2), 315-322.

Rasera, E. F. & Japur, M. (2004). Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estudos de Psicologia, 9(3), 431-439.

Rasera, E. F. & Japur, M. (2007). Grupo como construção social: aproximações entre construcionismo social e a terapia de grupo. São Paulo: Vetor.

Shotter, J. (1991). Consultant re-authoring: the “making” and “finding” of narrative constructions. Paper presented at Houston-Galveston Conference on Narrative and Psychotherapy: New Directions in Theory and Practice, Houston, Texas.

Shotter, J. (1995). A “show” of agency is enough. Theory and Psychology, 5(3), 383-390.

Shotter, J. (1998). Social constructionism and social poetics: Oliver Sacks and the case of Dr. P. In B. M. Bayer & J. Shotter (Eds.), Reconstructing the psychological subject: bodies, practices and technologies (pp. 33-51). London: Sage.

Shotter, J. (2008). Conversational realities revisited: life, language, body and world (2ª ed.). Ohio: Taos Institute Publications. (Original publicado em 1993)

Shotter, J. (2010). Social construction on the edge:’withness’- thinking and embodiment. Ohio: Taos Institute Publications.

Shotter, J. & Katz, A. M. (1996). Articulating a practice from within the practice itself: establishing formative dialogues by the use of a “social poetics”. Concepts and Transformation, 1(2-3), 213-237.

Shotter, J. & Katz, A. M. (1998). “Living moments” in dialogical exchanges. Human Systems, 9(2), 81-93.

Publicado
2018-12-28
Como Citar
Biagi, B. A. D. de, & Rasera, E. F. (2018). A mudança em terapia familiar: construindo agenciamento. Nova Perspectiva Sistêmica, 27(60), 26-38. https://doi.org/10.38034/nps.v27i60.385
Seção
Artigos