Jardim de flores: uma experiência com grupos de famílias no contexto da socioeducação

  • Bianca Batalha de Almeida Casa Monte Belo de Semiliberdade
  • Adriana Müller CRESCENT-ES
Palavras-chave: medidas socioeducativas, terapia narrativa, práticas narrativas coletivas.

Resumo

Este artigo visa apresentar e refletir sobre uma intervenção realizada com grupos multifamiliares no contexto da execução de medidas socioeducativas em meio aberto do CREAS–Cariacica (ES) utilizando conceitos e metodologias da Terapia Narrativa e das Práticas Narrativas Coletivas. Foram 11 encontros mensais, que contaram com a participação voluntária de adolescentes que cumpriam as medidas socioeducativas e seus familiares. Durante esse período o grupo tornou-se um espaço de apoio mútuo, de externalização dos problemas, de ampliação de narrativas pessoais, de musicalidade, de reautoria, de fortalecimento de vínculos familiares, de superação e de regraduação. Os resultados alcançados demonstram que a Terapia Narrativa e suas formas de aplicação contribuem no trabalho em grupos neste contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Batalha de Almeida, Casa Monte Belo de Semiliberdade
Psicóloga da Casa Monte Belo de Semiliberdade – Serra/ES, atuou no CREAS-Cariacica (ES), terapeuta de família pelo CRESCENT-FDV
Adriana Müller, CRESCENT-ES

Psicóloga, terapeuta de família, mestre em psicologia do desenvolvimento e docente do CRESCENT-ES.

Referências

Aquino, L. G. (2012). Criança e adolescente: o ato infracional e as medidas socioeducativas. Âmbito Jurídico [online], 15 (99), abr. 2012. Recuperado em 10 jan. 2014 de: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11414>

Araújo, T. A. A. (2012). A finalidade da medida socioeducativa de internação. Âmbito Jurídico [online], 15 (106), nov. 2012. Recuperado em 17 jan. 2014 de: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12040&revista_caderno=12>.

Brasil. (2002). Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial.

Costa, J. S. (2011). Terapia de família e seus significados: narrativas sobre as experiências dos clientes. Tese de Doutorado em Psicologia - Centro de Ciências da Vida, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas.

Denborough, D. (2008). Práticas narrativas coletivas: trabalhando com indivíduos, grupos e comunidades que vivenciaram traumas. (A. Müller, Trad.). Adelaide, Australia: Dulwich Centre Publications.

Dias, A. C. G., Arpini, D. M., & Simon, B.R. (2011). Um olhar sobre a família de jovens que cumprem medidas socioeducativas. Psicologia Social [online], 23 (3), p. 526-535. Recuperado em 23 março 2013 de <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822011000300010>.

Epston, D. (1998). “Catching up” with David Epston: a collection of narrative practice-based papers published between 1991 & 1996. Adelaide, Australia: Dulwich Centre Publications.

Freire, P. (2008). Pedagogia da esperança (15ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Grandesso, M. A. (2008). “Dizendo olá novamente”: a presença de Michael White entre nós terapeutas familiares. Revista Brasileira de Terapia Familiar, 1(1), 65-78.

Madigan, S. (2011). Narrative therapy. Washington, DC: American Psychological Association.

Müller, A. (2012). Troca de cartas no time da vida: um bate-bola construtivo. Nova Perspectiva Sistêmica, Rio de Janeiro, 42, 42-56.

Müller, A. (2013). Ritmos da vida: ajudando crianças na superação da separação. Nova Perspectiva Sistêmica, 45.

Ncube, N. (2006). The tree of life Project: using narrative ideas in work with vulnerable children in Southern Africa. International Journal of Narrative Therapy and Community Work, (1), 3-16.

White, M. (1988). Decir de nuevo: hola! La incorporación de la relación perdida em la resolución de la aflicción. In M. White. Guias para una terapia familiar sistemica – Michael White. Barcelona: Gedisa Editorial.

White, M. (2007). Maps of narrative practice. New York: Norton.

Publicado
2016-03-09
Como Citar
de Almeida, B. B., & Müller, A. (2016). Jardim de flores: uma experiência com grupos de famílias no contexto da socioeducação. Nova Perspectiva Sistêmica, 23(49), 73-87. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/67
Seção
Artigos