Terapia narrativa e abordagem colaborativa: contribuições do construcionismo social para a clínica pós-moderna

  • Rafaella Medeiros de Mattos Brito Mestranda em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza – CE
  • Idilva Maria Pires Germano Professora Associada da Universidade Federal do Ceará, no Programa de Pós-Graduação em Psicologia e no curso de Graduação em Psicologia
Palavras-chave: Terapia Narrativa, Abordagem Colaborativa, Construcionismo Social

Resumo

Acompanhando o giro linguístico nas Ciências Sociais, cresce o interesse na função das narrativas e de outras práticas discursivas nos processos de produção de sentido. No campo psicoterápico, tal interesse está no surgimento das chamadas “Terapias Pós-modernas”, cuja fundamentação epistemológica leva a repensar a teoria e a prática clínicas. No guarda-chuva paradigmático dessas terapias, destaca-se a influência do Construcionismo Social como metateoria em duas abordagens: Terapia Narrativa (Michael White e David Epson) e Terapia Colaborativa (Anderson & Goolishian). Este trabalho aponta a influência sócio-construcionista como base epistemológica nas duas abordagens, explorando as transformações da psicoterapia no cenário atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaella Medeiros de Mattos Brito, Mestranda em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza – CE
Psicóloga, com formação em Psicoterapia Humanista-Fenomenológica com a Profa. Dra. Virginia Moreira; Abordagem Centrada na Pessoa com Emanuel Meireles (UFPA/Belém) e Arte-Terapia pelo Instituto Aquilae. Atualmente é mestranda em psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC)
Idilva Maria Pires Germano, Professora Associada da Universidade Federal do Ceará, no Programa de Pós-Graduação em Psicologia e no curso de Graduação em Psicologia
Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (1985), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (1995) e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2001). Atualmente é Professora Associada da Universidade Federal do Ceará, no Programa de Pós-Graduação em Psicologia e no curso de Graduação em Psicologia.

Referências

Andersen, T. (1987). The Reflecting Team: Dialogue and Meta-Dialogue in Clinical. WorkFam Proc, 26, 415-428.

Anderson, H. (2001) Postmodern collaborative and person-centered therapies: what would Carl Rogers say? Journal of Family Therapy. 23, 339-360

Anderson, H (2011) Conversação, Linguagem e Possibilidades. São Paulo, SP: Roca.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1988). Human systems as linguistic systems: Evolving ideas about the implications for theory and practice. Family Process, 27, 371-93.

Anderson, H., & Goolishian, H. (1998) O Cliente é o Especialista: A Abordagem Terapêutica do Não Saber. In: Mcnamee, S., & Gergen, K. J. (Eds.) A Terapia como Construção Social. Porto Alegre: Artes Médicas.

Avdi, E., & Georgaca, E. (2007) Narrative research in psychotherapy: A critical review. Psychology and Psychotherapy: Theory, Research and Practice, 80, 407–419.

Bruner, E. (1986a). Ethnography as narrative. En V. Turner y E. Bruner (comps.), The anthropology of experience. Chicago: University of Illinois Press.

Dulwich Centre Publications. (2009). Commonly asked questions about narrative approaches to therapy, community work and psychosocial support. http://www.dulwichcentre.com.au/questions.html. Acessado em 27/04/2012

Gergen, K. J. (1992) El Yo Saturado. Barcelona: Paidós.

Gergen, K. J. (2009) O Movimento Do Construcionismo Social Na Psicologia Moderna. R. Inter. Interdisc. INTERthesis, 6(1), 299-325.

Gergen, K. J., & Gergen M. M. (2010) Scanning the Landscape of Narrative Inquiry. Social and Personality Psychology Compass, 4(9), 728–735.

Gergen K. J., & Kaye J. (1998) Além da Narrativa na Negociação do Sentido Terapêutico. In: Mcnamee, S. & Gergen, K. J. (Eds.) A Terapia como Construção Social. Porto Alegre: Artes Médicas.

Grandesso, M. (2000) Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Grandesso, M. (2001) Terapias pós-modernas: um panorama. Trabalho apresentado no --- congresso da IFTA, em Porto Alegre, Brasil, em novembro de 2001. Publicado na Revista Sistemas Familiares (Buenos Aires – Argentina).

Grandesso, M. (2008) “Dizendo olá novamente”: A presença de Michael White entre nós terapeutas familiares. Revista Brasileira de Terapia Familiar, 1(1).

Lyotard, J. F. (2004) A Condição pós-moderna. 8 ed. Rio de Janeiro: Jose Olympio.

Mcleod J. (Eds.). (2004) Social Construction, Narrative, and Psychotherapy. In: Angus E. L. & Mcleod J. The Handbook of Narrative and Psychotherapy: Practice, Theory and Research. Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications.

Monk, G., & Gehart, D. R. (2003). Sociopolitical activist or conversational partner?

Family Process, 42(1), 19–30.

Palma, F. G. (2008) Terapia Narrativa. Idéias Sistêmicas – Caderno do CEFAI, ano V, número 5.

Parker, I. (1999) Deconstructing Psychotherapy. London: Sage Publications.

Payne, M. (2006) Narrative Therapy, An Introduction for Counsellors. (2 Ed). London: Sage Publications.

Rasera, E. F., & Japur, M. (2004) Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estudos de Psicologia. (Natal), 9(3), p.431-439.

Wallis, J., Burns, J., & Capdevila, R. (2011) What Is Narrative Therapy and What Is It Not? The Usefulness of Q Methodology to Explore Accounts of White and Epston’s (1990) Approach to Narrative Therapy. Clinical Psychology and Psychotherapy, 18, 486–497.

White, M., & Epston, D. (1993) Medios Narrativos para Fines Terapéuticos. Paidós: Barcelona.

Publicado
2016-03-03
Como Citar
Brito, R. M. de M., & Germano, I. M. P. (2016). Terapia narrativa e abordagem colaborativa: contribuições do construcionismo social para a clínica pós-moderna. Nova Perspectiva Sistêmica, 22(47), 57-73. Recuperado de https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/7
Seção
Artigos