Nova Perspectiva Sistêmica https://www.revistanps.com.br/nps <p>Leia a revista Nova Perspectiva Sistêmica!</p> <p>ISSN da revista impressa: 0104-7841</p> <p>ISSN da revista on-line:&nbsp;2594-4363</p> CFH-UFSC / Editora Noos-SP pt-BR Nova Perspectiva Sistêmica 0104-7841 <span>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</span><br /><br /><ul><li>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado simultaneamente sob uma <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/" target="_blank">Licença Creative Commons Attribution</a> após a publicação, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</li></ul><br /><ul><li>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li></ul><br /><ul><li>Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja <a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_blank">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li></ul> Conversa sobre Valores: construindo sentidos, importâncias e caminhos na prática clínica https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/584 <p>Neste artigo descrevemos a conversa sobre valores, um recurso terapêutico de epistemologia construcionista social. Ela tem como objetivos ajudar o cliente a nomear valores importantes para si, a partir da análise conjunta e produção de sentidos sobre acontecimentos de sua vida, e construir possibilidades para que eles estejam mais presentes e bem cuidados em suas ações e decisões cotidianas. Descrevemos quais foram nossas experiências que inspiraram a construção deste recurso, sua fundamentação teórica, os passos que o compõem na prática e seus principais efeitos. Eles são: a construção de um senso de orientação diante do problema; a possibilidade de caminhar de maneira visual diante do que é importante para o cliente, considerando sua proximidade espacial em determinado marco temporal; e a reflexão sobre quem nos tornamos conforme orientamos nossas decisões a partir do que consideramos importante. Um caso clínico é apresentado para ilustrar o uso do recurso.</p> Pedro Pablo Sampaio Martins Ana Flávia Nascimento Manfrim Giovanna Cabral Doricci Copyright (c) 2021 Nova Perspectiva Sistêmica 2021-09-02 2021-09-02 30 69 17 33 10.38034/nps.v30i69.584 Conversações com a morte: experiências em terapia colaborativa dialógica para situações de perda e luto https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/616 <p>Neste artigo apresento um recurso terapêutico para diálogo com pessoas que vivem o desconforto de uma perda significativa em suas vidas. Ao longo do texto será explorada uma articulação teórico-prática sobre os caminhos para o uso deste recurso por meio da teoria da terapia colaborativa dialógica e relatos de casos atendidos na clínica privada. A descoberta e construção conjunta das possibilidades para o relacionamento do cliente com o outro ausente me impulsionaram à reflexão sobre esse recurso e compartilhamento neste artigo.</p> <p>&nbsp;</p> Bruno Lenzi Copyright (c) 2021 Nova Perspectiva Sistêmica 2021-09-02 2021-09-02 30 69 34 48 10.38034/nps.v30i69.616 Psicólogas(os) clínicas(os) e as demandas de mãe e pais em litígio https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/613 <p>Psicólogas(os) clínicas(os) são procuradas(os) com frequência por genitores envolvidos em processos judiciais sobre a guarda de filhos, com alegações de alienação parental e/ou abuso sexual infantil. Nessas situações, são comuns pedidos de documentos psicológicos, os quais, invariavelmente, são encaminhados à Justiça. Além de incrementar a lide processual, tais documentos têm resultado em denúncias éticas nos Conselhos de categoria, realizadas por genitores que se veem prejudicados por seu conteúdo. Neste ensaio, objetivamos contribuir do ponto de vista teórico, técnico e ético da Psicologia para discussões acerca da produção de documentos por psicólogas(os) que atuam em consultório privado. Aliada à experiência das autoras como psicólogas jurídicas, é adotada a perspectiva social crítica da Psicologia Jurídica. Constatamos que o reduzido envolvimento daquelas(es) profissionais nos debates sobre família pós-divórcio torna as práticas na área de fácil alcance da judicialização. Apontamos, assim, como urgente e imprescindível o diálogo interdisciplinar.</p> Analicia Martins de Sousa Fernanda Hermínia Oliveira Souza Copyright (c) 2021 Nova Perspectiva Sistêmica 2021-09-02 2021-09-02 30 69 49 61 10.38034/nps.v30i69.613 Visão sistêmica sobre os pressupostos de alienação parental na prática clínica individual e familiar https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/611 <p>Após quase vinte anos da sua chegada ao Brasil, os pressupostos de alienação parental extrapolaram o Poder Judiciário e ingressam nos consultórios particulares. O termo passou a constar das narrativas de clientes e psicoterapeutas. Tendo isso em vista, no presente artigo discutimos crítica e sistemicamente esses pressupostos. Apresentamos um estudo de caso qualitativo de três vinhetas clínicas para discutir como os acordos conversacionais estabelecidos entre psicoterapeutas e clientes no contexto clínico podem engendrar, substanciar ou ressignificar as narrativas de alienação parental, e as implicações dessa escolha para o processo psicoterápico. A discussão dos casos indica que as alegações e percepções de alienação parental constituem-se como uma tentativa de se classificar ou explicar comportamentos usualmente presentes em desavenças conjugais e parentais e o sofrimento delas advindo. Em adição, é problematizado o lugar do profissional na construção dialógica do objeto de intervenção e questionando-se a noção de realidade observável na psicoterapia.</p> Sérgio Alberto Bittencourt Maciel Josimar Antônio de Alcântara Mendes Luciana de Paula Gonçalves Barbosa Copyright (c) 2021 Nova Perspectiva Sistêmica 2021-09-02 2021-09-02 30 69 62 77 10.38034/nps.v30i69.611 Dinâmicas disfuncionais, disputa de guarda e alegações de alienação parental: uma compreensão sistêmica https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/612 <p>Desde a promulgação da lei de alienação parental (Lei nº 12.318/2010) no Brasil, a popularidade do tema e as suas alegações no contexto da Justiça só têm aumentado. Contudo, discussões críticas, técnicas e éticas sobre a sua aplicação nesse contexto ainda são necessárias. Por isso, neste artigo, apresentamos um estudo de caso qualitativo com base em dois casos atendidos pela equipe psicossocial do TJDFT. A discussão dos casos faz leituras sistêmicas sobre as alegações de alienação parental durante a disputa de guarda na Justiça. Essas leituras desvelaram a complexidade dos casos e a causalidade circular daquelas dinâmicas apontadas como ‘alienação parental’. No texto, também fazemos incursões sobre o papel e a postura dos profissionais da equipe psicossocial diante desses casos, a partir de uma perspectiva sistêmica.</p> Luciana de Paula Gonçalves Barbosa Josimar Mendes Mariana Martins Juras Copyright (c) 2021 Nova Perspectiva Sistêmica 2021-09-02 2021-09-02 30 69 78 95 10.38034/nps.v30i69.612 Impacto do litígio nos filhos https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/628 <p>Neste artigo objetivamos discorrer sobre a experiência de 23 anos da Equipe de Atendimento a Famílias em Situação de Litígio do Instituto NOOS, no que se refere ao impacto do litígio entre os pais no desenvolvimento dos filhos. Percorremos o caminho da origem de nossa equipe até os dias atuais, a motivação inicial pelo tema, o trilhar por várias instituições de terapia de família ao longo dos anos e o tripé teórico que nos sustenta: terapia sistêmica construcionista social, teoria da comunicação e mediação. Salientamos nossos objetivos específicos e apresentamos nossa metodologia de trabalho. Elencamos algumas consequências do litígio para os filhos e ilustramo-las com pequenos relatos de casos. Por fim, tecemos algumas indagações e reflexões sobre possíveis soluções. É importante salientar que o trabalho em equipe é que sustenta o contato com temas tão complexos e desafiadores.</p> Regina Peregrino da Silva Ribeiro Maria Lucy Abelin Maria de Jesus Lopes Marcia Rubinsztajn Berenice Ribeiro Copyright (c) 2021 Nova Perspectiva Sistêmica 2021-09-02 2021-09-02 30 69 96 108 10.38034/nps.v30i69.628 O terapeuta como produtor de conhecimentos: contribuições da perspectiva construcionista social https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/617 <p>Na sociedade brasileira, a comunicação das aprendizagens cotidianas dos(as) terapeutas tem sido negligenciada, mantendo-os(as) na posição de consumidores(as) de conhecimentos e relegando a segundo plano o aspecto criativo e reflexivo de sua prática. Visando estimular os(as) terapeutas a assumirem sua responsabilidade de partilhar seus conhecimentos produzidos a partir da clínica, este ensaio busca promover uma reflexão sobre o processo de produção do conhecimento em uma perspectiva construcionista social. Inicialmente, são analisadas as contribuições construcionistas para as práticas de produção de conhecimento, explicitando sua definição de ciência, do objetivo da pesquisa, dos métodos de coleta e análise. A partir dessas contribuições, revê-se o processo de redação de um caso clínico, desde a seleção do caso, passando pela apresentação do seu desenvolvimento, até os cuidados éticos. Esperamos que essas reflexões permitam a produção de novas inteligibilidades sobre o fazer terapêutico a partir das falas e dos olhares dos(as) terapeutas e seus(suas) clientes.</p> Emerson F. Rasera Carla Guanaes-Lorenzi Copyright (c) 2021 Nova Perspectiva Sistêmica 2021-09-02 2021-09-02 30 69 7 16 10.38034/nps.v30i69.617 Psicologia Jurídica nas Varas de Família: que caminho percorre(re)mos? https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/656 Juliana Silveira Di Ninno Ludimila Regina Rosenthal Caetano de Oliveira Copyright (c) 0 2021-09-01 2021-09-01 30 69 117 120 A humanidade em Istambul https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/654 Cecília Cruz Villares Copyright (c) 0 2021-09-01 2021-09-01 30 69 109 112 A única constante é a mudança https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/657 Denise Mendes Gomes Copyright (c) 0 2021-09-01 2021-09-01 30 69 121 125 Grupos reflexivos de gênero para homens no ambiente virtual: adaptações, desafios metodológicos, potencialidades https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/655 Gabriella Morena Copyright (c) 0 2021-09-01 2021-09-01 30 69 113 116 Editorial https://www.revistanps.com.br/nps/article/view/653 Adriano Beiras Copyright (c) 0 2021-09-01 2021-09-01 30 69 4 6