Do cuidar ao cuidar-se: um relato de intervenção em terapia familiar sistêmica

Cláudia de Oliveira Alves, Analice de Sousa Arruda Vinhal de Carvalho

Resumo


Este artigo teve por objetivo apresentar uma análise de um processo psicoterapêutico em terapia familiar a partir do referencial teórico da Terapia Familiar Sistêmica com ênfase em uma perspectiva pós-moderna e feminista. Os participantes compõem uma família que foi atendida por uma das autoras. As estratégias, os procedimentos utilizados e as reflexões feitas durante o processo psicoterapêutico possibilitaram mudanças significativas no sistema familiar, o que colaborou para o cumprimento dos objetivos delimitados a partir das expectativas da terapeuta e da família.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n62a07


Palavras-chave


Processo psicoterapêutico; Família; Terapia Familiar Sistêmica

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, C. O. (2013). Psicologia e perspectiva feminista: produção de conhecimento, prática e programas de prevenção em saúde mental. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Butler, J. (2014). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade (R. Aguiar, Trad.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (Original publicado em 1990).

Boscolo, L. & Bertrando, P. (2008). Terapia sistêmica individuale. Madrid, ESP: Amorrortu Editores.

Corradi-Webster, C. M. (2014). Ferramentas teórico-conceituais do discurso construcionista. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 50-72). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Couto-Oliveira, V. (2007). Vida de mulher: gênero, pobreza, saúde mental e resiliência. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Davies, B. & Harré, R. (1990). Positioning: The discursive production of selves. Journal for the Theory of Social Behaviour, 20(1), 43-63. Recuperado de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1468-5914.1990.tb00174.x/full

Diniz, G. R. S. (1999). Condição feminina – fator de risco para a saúde mental? In M. G. T. Paz & A. Tamayo (Orgs.). Escola, saúde e trabalho: estudos psicológicos (pp. 181-197). Brasília, DF: Editora UnB.

Diniz, G. R. S. (2004). Mulher, trabalho e saúde mental. In C. Wandeley (Org.), O trabalho enlouquece? Um encontro entre a clínica e o trabalho (pp. 105-138). Petrópolis, RJ: Vozes.

Diniz, G. R. S. & Alves, C. O. (2014). Gênero, conjugalidades e violência: uma proposta de intervenção sistêmica-feminista. In C. Stevens, S. R. Oliveira, & V. Zanello (Orgs.), Estudos feministas e de gênero: articulações e perspectivas (pp. 161-175). Florianópolis: Ed. Mulheres. Recuperado de http://www.repositorio.unb.br/bitstream/10482/16349/1/LIVRO_EstudosFeministasedeGeneroArticula%C3%A7%C3%B5es.pdf

Evans, K. M., Kincade, E. A., & Seem, S. R. (2011). Introduction to feminist therapy: Strategies for social and individual change. Thousand Oaks, CA: SAGE Publications, Inc.

Giffin, K. (2005). A inserção dos homens nos estudos de gênero: contribuições de um sujeito histórico. Ciência e Saúde Coletiva, 10(1), 47-57. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a05v10n1

Grandesso, M. A. (2000). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Grandesso, M. A. (2009). Desenvolvimentos em terapia familiar: das teorias às práticas e das práticas às teorias. In Osório, L. C & Valle, M. E. P. (Orgs.), Manual de terapia familiar (pp. 104-118). Porto Alegre: ArtMed.

Greene, K. & Bogo, M. (2002). The different faces of intimate partner violence: Implications for assessment and treatment. Journal of Marital and Family Therapy, 28(4), 455-466. Recuperado de

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1752-0606.2002.tb00370.x/full

Guanaes-Lorenzi, C. (2014). Construcionismo social: tensões e possibilidades de um movimento em permanente construção. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 89-104). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Martins, P. P. S., Santos, M. V., & Guanaes-Lorenzi, C. (2014). Participação da família no tratamento em saúde mental: histórias sobre diálogo e inclusão. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 89-104). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Mayorga, C., Coura, A., Miralles, N., & Cunha, V. M. (2013). As críticas ao gênero e a pluralização do feminismo: colonialismo, racismo e política heterossexual. Revista Estudos Feministas, 21(2), 463-484. Recuperado de

http://www.jstor.org/stable/24328285?seq=1#page_scan_tab_contents

Minuchin, S., Nichols, M., & Lee, Way-Yung. (2009). Famílias e casais: do sintoma ao sistema. Porto Alegre: Artmed.

Moscheta, M. S. (2014). A pós-modernidade e o contexto para a emergência do discurso construcionista social. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 23-47). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Narvaz, M. G & Koller, S. H. (2007). Feminismo e terapia: a terapia feminista da família – por uma psicologia comprometida. Psicologia Clínica, 19(2), 117-131. Recuperado de

http://www.scielo.br/pdf/pc/v19n2/a09v19n2

Neves, S. & Nogueira, C. (2004). Terapias feministas, intervenção psicológica e violências na intimidade: uma leitura feminista crítica. Psychologica, 36, 15-32.

Paschoal, V. N. & Grandesso, M. (2014). O uso de metáforas em terapia narrativa: facilitando a construção de novos significados. Nova Perspectiva Sistêmica, 48, 24-43.

Paula-Ravagnani, G. S. (2015). Difusão do construcionismo social entre terapeutas familiares: desafios e potencialidades. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP.

Perelberg, R. J. (1994). Igualdade, assimetria e diversidade: sobre as conceitualizações dos sexos. In R. J. Perelberg & A. C. Miller (Orgs.), Os sexos e o poder nas famílias (pp. 47-71). Rio de Janeiro: Imago.

Rasera, E. F. & Guanaes, C. (2010). Momentos marcantes na construção da mudança em terapia familiar. Psicologia Teoria e Pesquisa, 26(2), 315-322.

Scott, J. (1995). Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Sousa, L. V. (2014). Discurso construcionista social: uma apresentação possível. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 50-72). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Vianna, C. (2012). Gênero e psicologia clínica: risco e proteção na saúde mental de mulheres. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Walters, M. (1994). Uma perspectiva feminista para a terapia de família. In R. J. Perelberg & A. C. Miller (Orgs.), Os sexos e o poder nas famílias (pp. 27-46). Rio de Janeiro: Imago.

Worell, J. & Johnson, D. (2001). Therapy with women: Feminist frameworks. In R. K. Unger (Ed.), Handbook of the psychology of women and gender (pp. 317-329). New York:Wiley.

Zanello, V. (2010). Mulheres e loucura: questões de gênero para a psicologia clínica. In C. Stevens, K. C. T. Brasil, T. M. C. Almeida, & V. Zanello, (Orgs.), Gênero e feminismos: convergências (in) disciplinares (pp. 307-320). Brasília, DF: EX Libris.

Zanello, V. & Bukowitz, B. (2011). Loucura e cultura: uma escuta das relações de gênero nas falas de pacientes psiquiatrizados. Revista Labrys, 20(2), 20-21.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

A revista Nova Perspectiva Sistêmica é publicada pelo Instituto Noos São Paulo.

Está indexada por Latindex, DOAJ, Clase, BVS-PSI, PePSIC, Periódicos CAPES, MIAR Universitat Barcelona e Google Acadêmico.

Conceito B3 no Qualis.