Do cuidar ao cuidar-se: um relato de intervenção em terapia familiar sistêmica

  • Cláudia de Oliveira Alves Universidade Paulista – UNIP, Brasília, DF
  • Analice de Sousa Arruda Vinhal de Carvalho Universidade Paulista – UNIP, Goiânia, GO
Palavras-chave: Processo psicoterapêutico, Família, Terapia Familiar Sistêmica

Resumo

Este artigo teve por objetivo apresentar uma análise de um processo psicoterapêutico em terapia familiar a partir do referencial teórico da Terapia Familiar Sistêmica com ênfase em uma perspectiva pós-moderna e feminista. Os participantes compõem uma família que foi atendida por uma das autoras. As estratégias, os procedimentos utilizados e as reflexões feitas durante o processo psicoterapêutico possibilitaram mudanças significativas no sistema familiar, o que colaborou para o cumprimento dos objetivos delimitados a partir das expectativas da terapeuta e da família.

DOI http://dx.doi.org/10.21452/2594-43632018v27n62a07

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia de Oliveira Alves, Universidade Paulista – UNIP, Brasília, DF
Psicóloga, doutoranda e mestre em Psicologia Clínica e Cultura na Universidade de Brasília (UnB). Docente no curso de Graduação em Psicologia da Universidade Paulista (UNIP), Brasília, DF.
Analice de Sousa Arruda Vinhal de Carvalho, Universidade Paulista – UNIP, Goiânia, GO
Mestre em Ciências da Família, BYU/EUA. Doutoranda em Psicologia Clínica e Saúde, na Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Docente no Curso de Graduação em Psicologia da Universidade Paulista (UNIP), Goiânia, GO.

Referências

Alves, C. O. (2013). Psicologia e perspectiva feminista: produção de conhecimento, prática e programas de prevenção em saúde mental. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Butler, J. (2014). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade (R. Aguiar, Trad.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (Original publicado em 1990).

Boscolo, L. & Bertrando, P. (2008). Terapia sistêmica individuale. Madrid, ESP: Amorrortu Editores.

Corradi-Webster, C. M. (2014). Ferramentas teórico-conceituais do discurso construcionista. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 50-72). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Couto-Oliveira, V. (2007). Vida de mulher: gênero, pobreza, saúde mental e resiliência. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Davies, B. & Harré, R. (1990). Positioning: The discursive production of selves. Journal for the Theory of Social Behaviour, 20(1), 43-63. Recuperado de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1468-5914.1990.tb00174.x/full

Diniz, G. R. S. (1999). Condição feminina – fator de risco para a saúde mental? In M. G. T. Paz & A. Tamayo (Orgs.). Escola, saúde e trabalho: estudos psicológicos (pp. 181-197). Brasília, DF: Editora UnB.

Diniz, G. R. S. (2004). Mulher, trabalho e saúde mental. In C. Wandeley (Org.), O trabalho enlouquece? Um encontro entre a clínica e o trabalho (pp. 105-138). Petrópolis, RJ: Vozes.

Diniz, G. R. S. & Alves, C. O. (2014). Gênero, conjugalidades e violência: uma proposta de intervenção sistêmica-feminista. In C. Stevens, S. R. Oliveira, & V. Zanello (Orgs.), Estudos feministas e de gênero: articulações e perspectivas (pp. 161-175). Florianópolis: Ed. Mulheres. Recuperado de http://www.repositorio.unb.br/bitstream/10482/16349/1/LIVRO_EstudosFeministasedeGeneroArticula%C3%A7%C3%B5es.pdf

Evans, K. M., Kincade, E. A., & Seem, S. R. (2011). Introduction to feminist therapy: Strategies for social and individual change. Thousand Oaks, CA: SAGE Publications, Inc.

Giffin, K. (2005). A inserção dos homens nos estudos de gênero: contribuições de um sujeito histórico. Ciência e Saúde Coletiva, 10(1), 47-57. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a05v10n1

Grandesso, M. A. (2000). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Grandesso, M. A. (2009). Desenvolvimentos em terapia familiar: das teorias às práticas e das práticas às teorias. In Osório, L. C & Valle, M. E. P. (Orgs.), Manual de terapia familiar (pp. 104-118). Porto Alegre: ArtMed.

Greene, K. & Bogo, M. (2002). The different faces of intimate partner violence: Implications for assessment and treatment. Journal of Marital and Family Therapy, 28(4), 455-466. Recuperado de

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1752-0606.2002.tb00370.x/full

Guanaes-Lorenzi, C. (2014). Construcionismo social: tensões e possibilidades de um movimento em permanente construção. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 89-104). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Martins, P. P. S., Santos, M. V., & Guanaes-Lorenzi, C. (2014). Participação da família no tratamento em saúde mental: histórias sobre diálogo e inclusão. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 89-104). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Mayorga, C., Coura, A., Miralles, N., & Cunha, V. M. (2013). As críticas ao gênero e a pluralização do feminismo: colonialismo, racismo e política heterossexual. Revista Estudos Feministas, 21(2), 463-484. Recuperado de

http://www.jstor.org/stable/24328285?seq=1#page_scan_tab_contents

Minuchin, S., Nichols, M., & Lee, Way-Yung. (2009). Famílias e casais: do sintoma ao sistema. Porto Alegre: Artmed.

Moscheta, M. S. (2014). A pós-modernidade e o contexto para a emergência do discurso construcionista social. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 23-47). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Narvaz, M. G & Koller, S. H. (2007). Feminismo e terapia: a terapia feminista da família – por uma psicologia comprometida. Psicologia Clínica, 19(2), 117-131. Recuperado de

http://www.scielo.br/pdf/pc/v19n2/a09v19n2

Neves, S. & Nogueira, C. (2004). Terapias feministas, intervenção psicológica e violências na intimidade: uma leitura feminista crítica. Psychologica, 36, 15-32.

Paschoal, V. N. & Grandesso, M. (2014). O uso de metáforas em terapia narrativa: facilitando a construção de novos significados. Nova Perspectiva Sistêmica, 48, 24-43.

Paula-Ravagnani, G. S. (2015). Difusão do construcionismo social entre terapeutas familiares: desafios e potencialidades. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP.

Perelberg, R. J. (1994). Igualdade, assimetria e diversidade: sobre as conceitualizações dos sexos. In R. J. Perelberg & A. C. Miller (Orgs.), Os sexos e o poder nas famílias (pp. 47-71). Rio de Janeiro: Imago.

Rasera, E. F. & Guanaes, C. (2010). Momentos marcantes na construção da mudança em terapia familiar. Psicologia Teoria e Pesquisa, 26(2), 315-322.

Scott, J. (1995). Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.

Sousa, L. V. (2014). Discurso construcionista social: uma apresentação possível. In C. Guanaes-Lorenzi, M. S. Moscheta, C. M. Corradi-Webster, & L. V. Souza (Orgs.), Construcionismo social: discurso, prática e produção do conhecimento (pp. 50-72). Rio de Janeiro: Instituto Noos.

Vianna, C. (2012). Gênero e psicologia clínica: risco e proteção na saúde mental de mulheres. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Walters, M. (1994). Uma perspectiva feminista para a terapia de família. In R. J. Perelberg & A. C. Miller (Orgs.), Os sexos e o poder nas famílias (pp. 27-46). Rio de Janeiro: Imago.

Worell, J. & Johnson, D. (2001). Therapy with women: Feminist frameworks. In R. K. Unger (Ed.), Handbook of the psychology of women and gender (pp. 317-329). New York:Wiley.

Zanello, V. (2010). Mulheres e loucura: questões de gênero para a psicologia clínica. In C. Stevens, K. C. T. Brasil, T. M. C. Almeida, & V. Zanello, (Orgs.), Gênero e feminismos: convergências (in) disciplinares (pp. 307-320). Brasília, DF: EX Libris.

Zanello, V. & Bukowitz, B. (2011). Loucura e cultura: uma escuta das relações de gênero nas falas de pacientes psiquiatrizados. Revista Labrys, 20(2), 20-21.

Publicado
2019-02-09
Como Citar
Alves, C. de O., & Carvalho, A. de S. A. V. de. (2019). Do cuidar ao cuidar-se: um relato de intervenção em terapia familiar sistêmica. Nova Perspectiva Sistêmica, 27(62), 109-125. https://doi.org/10.38034/nps.v27i62.451
Seção
Artigos